Theatro Municipal recebe espetáculo de Pina Bausch

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 31 de março de 2011 as 10:47, por: cdb
Em Ten Chi, os 17 bailarinos da Tanztheater Wuppertal exploram aspectos da cultura japonesa moderna

A Tanztheater Wuppertal Pina Bausch apresenta, nos dias 5, 6 e 7 de abril, no Theatro Municipal, mesmo palco onde esteve pela última vez em 1997, o espetáculo Ten Chi, uma das últimas criações da coreógrafa alemã Pina Bausch.

Um dos maiores nomes da dança do século XX, Pina Bausch faleceu em 2009 sem realizar um de seus desejos: voltar a se apresentar no Rio de Janeiro. Somente agora, quase dois anos após a sua morte, a companhia que fundou, dirigiu e hoje leva o seu nome retorna à cidade.

Montagem inspirada na cultura da cidade de Saitama, no Japão, Ten Chi (Céu e Terra) foi encenada pela primeira vez em 2004 e faz parte da famosa série de quinze produções em que Pina retratou, através da dança, os lugares por onde passou em suas turnês.

Para conceber as peças, a coreógrafa e sua companhia moravam por cerca de três semanas nas cidades que escolhiam homenagear, com a intenção de se integrar à cultura local, visitando personalidades e conhecendo pontos turísticos.

– Depois, tudo isso se transformava no palco em fragmentos de cartões postais, onde cada bailarino anotava suas leituras particulares de cada situação vivida. O resultado nunca foi uma mera ilustração dos lugares por onde a trupe passou, mas uma cartografia sentimental –, explica o escritor e jornalista Fabio Cypriano, autor da biografia Pina Bausch.

Em Ten Chi, os dezessete bailarinos da Tanztheater Wuppertal, hoje dirigida pelos coreógrafos Dominique Mercy e Robert Sturm, exploram aspectos da cultura japonesa moderna com humor e delicadeza, em um cenário composto por partes de uma baleia gigante e outros elementos da terra do sol nascente, como bonsais e flores de cerejeira.

Embalado por uma trilha que inclui Norah Jones e Gustavo Santaolalla, e textos de Bertold Brecht e José Saramago, entre outros, o espetáculo traz no elenco a brasileira Regina Advento, integrante da companhia desde 1993. A bailarina esteve presente, ao lado da conterrânea Ruth Amarante, que também faz parte da Tanztheater Wuppertal, mas não atuará nesta montagem de Ten Chi, na última passagem do grupo pelo Rio, quando este apresentou a versão da ópera Ifigênia em Tauris, de Christian Willibald Glück, e Cravos (Nelken).

A companhia retorna à cidade por uma iniciativa do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, como atração internacional convidada da temporada de dança de 2011.

Pina Bausch foi nomeada diretora artística da então Wuppertal Opera em 1973, época em que começou a desenvolver uma mistura de dança e teatro. Nas suas montagens, os bailarinos não só dançavam como também falavam, cantavam, riam e até choravam.

– Não me interesso em como as pessoas se movem, mas o que as move –, dizia Pina, em uma de suas frases mais célebres, explicando o que a motivou a criar este novo gênero, que revolucionou a dança no século XX e inspira até hoje coreógrafos ao redor do mundo. Pina Bausch, tema do último documentário de Wim Wenders, exibido pela primeira vez este ano no Festival de Berlim e sem data de lançamento no Brasil, faleceu repentinamente aos 68 anos de idade, em Wuppertal, sua cidade natal.

O espetáculo Ten Chi, por sua vez, estreou em Wuppertal, em maio de 2004, de onde seguiu para Saitama. Nos anos seguintes excursionou por Paris, Tóquio, Lisboa (2005); Wiesbaden (2006); Los Angeles e Berkeley (2007). Depois das apresentações no Rio, a peça segue para São Paulo (Teatro Alfa, dias 14, 16, 17, 18 e 19) e Porto Alegre (Teatro do Sesi, dias 23 e 24).