The Economist diz que investidores desconfiam de Mantega

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 3 de abril de 2006 as 12:05, por: cdb

Templo do capitalismo mundial, a revista britânica The Economist, em sua edição deste fim de semana, afirma que o novo ministro da Fazenda, Guido Mantega, terá que “ganhar a confiança” dos investidores estrangeiros, mostrando que seguirá os passos do antecessor Antonio Palocci”. A matéria diz ainda que “a economia do Brasil está muito mais sólida” do que no passado, mas que a “a força da sua moeda e dos seus títulos se deve, em grande parte, à confiança que os investidores aprenderam a depositar em Palocci”.

“Mantega terá, agora, que ganhar essa confiança. Mantega promete seguir o mesmo caminho na economia. Mas há dúvidas sobre o seu comprometimento”, afirma o texto. A publicação destaca que o novo ministro da Fazenda criticava as medidas adotadas por Palocci, enquanto presidia o BNDES.

“Quando a economia se retraiu no ano passado, ele culpou o Banco Central pelo ‘excesso de zelo antiinflacionário’. Quando Palocci brigou por um superávit primário maior para cortar a dívida pública, Mantega se opôs, dizendo que o investimento público iria sofrer.”

Mudança

Ao assumir o novo posto, Mantega “rapidamente mudou de linha”, aponta a revista.

“Um superávit primário menor ‘não ajudaria’ o crescimento, ele falou”, continua a matéria.

“Mesmo que ele quisesse aumentar os gastos e cortar os juros mais rápido para ajudar o presidente Lula nas eleições, ele tem razões para pensar duas vezes.”

Depois da renúncia de Palocci, o real caiu 2,7% em relação ao dólar e o prêmio de risco pago pelos títulos brasileiros subiu 0,6%, de acordo com a revista.

“Essa pode ter sido uma reação tímida”, especula a Economist.