Tevê iraquiana mostra imagens de helicóptero americano derrubado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de março de 2003 as 09:54, por: cdb

Iraquianos derrubaram dois helicópteros das forças aliadas no sudoeste do país e teriam feito novos prisioneiros em outros enfrentamentos, disse nesta segunda-feira, o ministro da Informação do Iraque, Mohamed Said Al Sahaf, em entrevista coletiva.

A televisão iraquiana Al Shabab mostrou imagens de um dos helicópteros caídos, um Apache AH-64, enquanto um grupo de homens levantavam suas armas – kalachnikovs e velhas pistolas- com as quais garantiam ter derrubado os aparelhos.

Em Doha, o Comando Central americano confirmou que um Apache estava desaparecido no sul do Iraque, mas sem oferecer detalhes.
Segundo a televisão iraquiana, os helicópteros teriam sido derrubados por camponeses que depois foram entrevistados pela cadeia em uma região agrícola perto de Kerbala, cem quilômetros a sudoeste de Bagdá.

O ministro garantiu que há outro aparelho similar derrubado e que será mostrado mais tarde, e destacou que dois pilotos foram feitos prisioneiros, sem falar do paradeiro de outros possíveis ocupantes.

O regime de Saddam Hussein ofereceu recompensas equivalentes em dinares iraquianos a até 150.000 dólares por cada helicóptero inimigo derrubado.

Além disso, e segundo o ministro, vários combatentes inimigos, tanto homens como mulheres, caíram em mãos iraquianas, e serão apresentados a público mais tarde “se considerarmos apropriado”.

A televisão iraquiana apresentou ontem cinco soldados que disseram ser americanos e que foram capturados na cidade de Nasariya, o que foi duramente condenado pelos EUA, Reino Unido e pela Cruz Vermelha Internacional.

Os bombardeios e os ataques de ontem sobre as diferentes regiões iraquianas deixaram um saldo de 62 mortos civis e 507 feridos, disse o ministro Al Sahaf.

As vítimas fatais, em sua maioria, são de Babel, onde morreram 30 pessoas; Basra (14), e Kerbala (10) enquanto que em Bagdá 194 civis ficaram feridos.

Essas cifras ainda são “provisórias”, disse o ministro.