Testemunha do caso comerciante chinês pode ser transferida para Brasília

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de setembro de 2003 as 23:36, por: cdb

Fabiano de Oliveira, de 28 anos, uma das principais testemunhas das agressões sofridas pelo comerciante chinês Chang Kim Cham, no Presídio Ary Franco, deverá ser transferido para Brasília nos próximos dias, a pedido do delegado Victor Powbel, titular do inquérito federal que está investigando a morte do comerciante radicado no Brasil.

A informação foi fornecida pelo deputado Alessandro Molon (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa, que visitou o preso nesta segunda, durante depoimento à Polícia Federal.

Segundo o parlamentar, o preso é muito importante para o inquérito da polícia e do Ministério Público Federal, já que ele viu toda a agressão cometida contra o comerciante chinês. Ele relatou que Fabiano apresenta lesões na face, as quais, conforme o próprio preso, foram produzidas por outros detentos.

O preso contou também ao deputado que foi ameaçado de morte pelos presidiários que o espancaram. O deputado Alessandro Molon, por sua vez, adiantou que vai pedir explicações ao IML, já que durante exames em Fabiano, os peritos não acusaram, em laudo, as agressões .

O parlamentar disse também que vai pedir à Alerj, através de projeto de lei, a independência financeira e administrativa dos órgãos ligados à Polícia Técnica, para evitar o que chamou de pressões e constrangimentos que possam vir a alterar ou omitir laudos periciais no estado.

Sobre o Inquérito que está correndo na Policia Federal envolvendo a morte do Chinês, o deputado acrescentou que o delegado federal encarregado do caso garantiu que o fato está sendo apurado com rigor e que já existem inclusive nomes de alguns dos responsáveis, que responderão na Justiça pela morte de Chang Kim Cham.