Termina sem acordo reunião entre Metrô de SP e sindicalistas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de maio de 2003 as 17:22, por: cdb

Representantes do Metrô de São Paulo e do sindicato dos funcionários não chegaram a um acordo durante a audiência de conciliação realizada nesta segunda-feira no TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

De acordo com o TRT, os metroviários não devem entrar em greve antes do julgamento do dissídio, que pode ocorrer na próxima quinta-feira.

A categoria reivindica reajuste de 18,13%, referente a perdas salariais. O salário média dos metroviários, segundo o sindicato, é de R$ 1.600.

Os trabalhadores querem ainda a criação de um plano de carreira e a fixação do trabalho de 36 horas semanais para toda a categoria. Alguns funcionários trabalham até 40 horas semanais.

Propostas

O TRT determinou um prazo de 24 horas para que a empresa e os metroviários se manifestem sobre as alegações feitas durante a audiência. O juiz João Carlos de Araújo, vice-presidente Judicial do Tribunal, apresentou uma proposta que mantém as cláusulas sociais contidas no dissídio do ano passado e reajuste salarial de 18,13% do IVC do Dieese sobre os salários de abril desse ano.

A proposta do TRT também determina a aplicação e registro na Delegacia Regional do Trabalho do Plano de Carreira do Metrô, pagamento das horas extras em 100% e estabilidade de 90 dias por se tratar de dissídio de data-base da categoria.

Representantes da empresa e dos trabalhadores continuarão conversando e, caso não haja avanço nas negociações, o dissídio de greve dos metroviários será julgado no próximo dia 29, de acordo com o TRT.