Teatro Municipal do Rio anuncia programação 2002

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de janeiro de 2002 as 18:56, por: cdb

Romeu e Julieta, de Vassiliev, em maio com Mistlav Rostroprovitch regendo a Orquestra do Teatro Municipal; La Gioconda, de Ponchielli, e Fosca, óperas rivais, respectivamente em julho e novembro, e a manutenção das séries vespertinas Ópera do Meio-Dia, Concertos no Foyer, Música do Brasil e Cartas de Amor. Em linhas gerais, essa é a programação do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, anunciada pela presidente da fundação que administra a casa, Dalal Aschar, em coletiva que teve a presença do governador Anthony Garotinho e da secretária de Estado de Cultura, Helena Severo.

Eles comemoravam o aumento em 66% do público da casa, com relação ao ano anterior. Em 2001, os espetáculos produzidos pelo Municipal foram vistos por 274.501 pessoas, ante 164.986 pessoas em 2000. Contando com as produções em que o teatro foi cedido a particulares, o público total sobe mais ainda, vai para 387.141 pessoas.

“Ganhamos um novo público que popularizou a nossa programação”, comemorou Dalal. “Nossos corpos estáveis, balé, ópera e coro, também lucraram porque nunca se apresentaram tanto. Pela primeira vez, em muitos anos, a programação própria do teatro foi duas vezes maior que a trazida por produtores de fora.”

Para este ano, a previsão é de continuar a crescer. Estão programados quatro óperas, quatro balés, dois espetáculos infantis e a manutenção das séries.

O governo estadual destinou R$ 19 milhões às novas produções do Municipal e ainda prometeu realizar, até março, concurso para preenchimento de 160 vagas nos três corpos estáveis da casa. O último concurso ocorreu em 1985. Garotinho confirmou que deixa o governo em abril, mas acredita que a vice-governadora Benedita da Silva, sua substituta, vá manter o compromisso: “Tecnicamente, ela pode até mudar de idéia, mas esta é uma decisão institucional e, quando se pensa assim, há continuidade administrativa.”

Helena Severo lembrou que, em 2002, o governo estadual vai destinar R$ 40,5 milhões na produção de espetáculos. Além do verba do Municipal, R$ 12 milhões foram para o financiamento de cinema, R$ 7 milhões para espetáculos de teatro, R$ 1 milhão para dança e R$ 1,5 milhão música erudita.