Talebã pede a Jackson que negocie a paz

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de setembro de 2001 as 13:42, por: cdb

O ativista de direitos humanos americano Jesse Jackson disse que está considerando aceitar um convite feito pelo Talebã, milícia que controla cerca de 90% do Afeganistão, para atuar como mediador entre Washington e o Afeganistão.

Jackson disse que poderá aceitar a proposta de liderar uma delegação de paz no Afeganistão se sentir que pode convencer os líderes do Talebã a entregar o dissidente saudita Osama bin Laden.

Bin Laden, que está supostamente refugiado no Afeganistão, é apontado pelos EUA como o principal suspeito pelos atentados a Washington e Nova York no último dia 11.

Embora não tenha se pronunciado oficialmente sobre o assunto, a Casa Branca deu sinais de que não está disposta a negociar com o Talebã e, portanto, não apoiaria uma eventual intervenção de Jackson no conflito.

Outras missões

Segundo o ativista, a iniciativa do Talebã poderia ser um sinal de que a milícia está procurando uma saída pacífica para a situação.

Jackson disse ainda que poderia ajudar no caso de oito trabalhadores de agências humanitárias que estão sendo julgados no Afeganistão sob acusação de “promover o cristianismo”.

O ativista já se ofereceu para atuar como mediador em outros conflitos internacionais. Ele ajudou, por exemplo, na negociação da libertação de soldados americanos que haviam sido seqüestrados nos Bálcãs, há dois anos, e foi enviado especial para a África no governo do ex-presidente Bill Clinton.

Casa Branca

Jackson disse que escreveu ao presidente George W. Bush pedindo que ele o ajudasse a avaliar a proposta.

No entanto um porta-voz da Casa Branca disse que Bush deixou claro que não manteria nenhum tipo de negociações com o Talebã.

A mensagem da administração Bush parece ser a de que se Jackson decidir ir à região, ele não terá autoridade para negociar em nome de Washington.

Autoria do convite

A milícia Talebã, por sua vez, negou ter convidado Jackson para intermediar negociações de paz com os Estados Unidos.

Segundo o representante do Talebã no Paquistão, mulá Abdul Salaam Zayf, foi o próprio Jackson quem se ofereceu como intermediador.

De acordo com o mulá Zayf, a proposta foi aceita pelo líder espiritual do Talebã, mulá Mohammed Omar.

De acordo com Jesse Jackson, talvez o Talebã esteja buscando uma forma digna de entregar Bin Laden.

Em entrevista à rede de TV norte-americana CBS, Jackson dise que só irá ao Afeganistão se houver chance de as negociações progredirem.

No passado, Jesse Jackson se ofereceu para intermediar conflitos no Iraque e na Iugoslávia.