Suspeitos de terem provocado incêndios na Califórnia são procurados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de outubro de 2003 as 10:11, por: cdb

As autoridades da Califórnia fizeram um pedido de ajuda à população para localizar os suspeitos de terem provocado um dos maiores incêndios no sul do Estado. “Estamos procurando dois suspeitos de terem provocado o incêndio na área de San Bernardino”, disse Bobby Dean, sargento do departamento de polícia do condado.

A TV divulgou o retrato-falado de dois homens brancos feitos com base na descrição de testemunhas. Uma testemunha, de aparência hispânica e de, aproximadamente, 20 anos de idade também está sendo procurada.

No condado de San Bernardino, 80 quilômetros ao leste de Los Angeles, os poderosos incêndios arrasaram mais de 33.292 hectares e dois idosos morreram de ataque cardíaco, possivelmente devido ao pânico causado com a catástrofe.

A polícia de San Diego prendeu um caçador acusado de começar um outro foco de incêndio. Ele teria usado um sinalizador que iniciou o fogo em Cedar Fire. Autoridades locais explicaram que neste caso o incêndio não foi provado intencionalmente. “Ele estava perdido e queria ser encontrado”, explicou o chefe da polícia local, Jeff Bowman.

Desastre

Os incêndios florestais que atingem a Califórnia estão sendo classificados como o pior desastre da história do Estado. O fogo já matou 18 pessoas, consumiu mais de 240 mil hectares e destruiu mais de 1,5 mil casas.

O governador Gray Davis confirmou que o devastador efeito das chamas pode custar ao estado cerca de US$ 2 bilhões. A cifra é aproximada já que o fogo, que se espalha desde a fronteira com o México até o norte de Los Angeles, ainda não foi controlado.

O trabalho dos mais de 10 mil bombeiros é dificultado pelos ventos secos e desérticos de Santa Ana que chegaram a produzir verdadeiras tempestades de fogo. Pela primeira vez desde a semana passada, os ventos diminuiram, mas a operação está longe do fim. A falta de ventos, como no caso do incêndio de Simi Valley, no noroeste de Los Angeles, também contribuiu para que as chamas consumam novas áreas que os bombeiros não conseguiram prevenir nas colinas. Trata-se de um perigo que aproximou ainda mais as chamas da cidade de Los Angeles.

O calor do fogo pode ser sentido a 70 quilômetros dos incêndios que rodeiam o leste e oeste, além do sul desta cidade, de mais de nove milhões de habitantes. Os motoristas se viram obrigados a acender os faróis de seus carros durante grande parte do dia e as cinzas cobrem as praias californianas. As condições ambientais são tão precárias que se recomendou aos moradores permanecerem dentro de seus lares sempre que possível, enquanto os hospitais locais começaram a receber novos casos de problemas respiratórios.

Segundo os bombeiros, trata-se das piores condições climáticas para um incêndio. A umidade do ambiente é praticamente nula em algumas ocasiões e, como falta oxigênio, as labaredas viram pequenos tornados que se movimentam com rapidez em busca de mais combustível para continuar queimando. Trata-se de uma propagação que acontece especialmente através das colinas que cercam a cidade no norte, onde as pessoas continuam abandonando suas casas.

“Quando pedimos que abandonem seus lares, por favor façam imediatamente, não esperem”, advertiu o porta-voz policial Bill Kolender, lamentando que o maior número das 18 vítimas fatais foi devido à demora para deixar suas casas. Os 15 minutos, tempo dado para saírem do local quando as chamas estão se aproximando, não são suficientes para um resgate.

Estas perdas serão irreparáveis, mas Davis quer garantir que pelo menos a gestão das ajudas para os milhares de residentes que ficaram sem lar comecem logo. Para isso, deseja utilizar modelos como o posto em prática durante o terremoto de Northridge, em 1994, até agora considerado um dos maiores desastres vividos por um Estado. Junto com essa ajuda também começaram as advertências públicas contra os abusos, especialmente os trapaceiros dispostos a aproveitar esta tragédia para solicitar dinheiro de forma ilícita ou exigir apólices de