Supermercados de São Paulo vão recorrer de decisão judicial que determinou volta das sacolinhas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 26 de junho de 2012 as 12:48, por: cdb

Marli Moreira
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Os advogados da Associação Paulista de Supermercados (Apas) devem entrar ainda hoje (26) com recurso na Justiça para neutralizar a decisão da juíza Cynthia Torres Cristófaro, da 1ª Vara Central da capital paulista, que determinou ontem (25) a volta da distribuição gratuita das sacolinhas de plástico dentro de 48 horas.

Em seu despacho, a juíza também fixou prazo de um mês para que os supermercados adotem a prática de fornecer a seus clientes, de graça, embalagens de material biodegradável ou de papel em quantidade que atenda às necessidades de acondicionamento das mercadorias.

Por meio de nota, a Apas informou que orientou os seus associados a cumprir a decisão judicial. No entanto, disse que vai continuar com a campanha de substituição das sacolas descartáveis por reutilizáveis.

Para justificar a campanha Vamos Tirar o Planeta do Sufoco, a Apas argumentou tratar-se de uma ação que visa a conscientizar os consumidores a evitar o desperdício e colaborar com a “sustentabilidade”. Na última sexta-feira, (22), o presidente da Apas, João Galassi, informou à Agência Brasil que, desde abril, deixaram de ser distribuídas l,1 bilhão de sacolas plásticas.

Os supermercados suspenderam o fornecimento das embalagens plásticas, no dia 25 de janeiro. Pouco depois, no dia 3 de fevereiro, a entidade assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Procon e o Ministério Público Estadual para a retomada da distribuição por 60 dias. Nesse acordo, os estabelecimentos assumiram o compromisso de oferecer sacolas reutilizáveis ao preço de até R$ 0,59 e de informar aos clientes sobre a decisão de não mais disponibilizar as sacolas de plástico.

Edição: Lana Cristina