Sublime, Federer elimina Agassi em Melbourne

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de janeiro de 2005 as 15:16, por: cdb

Com um tênis sublime, muito próximo da perfeição, Roger Federer acabou nesta terça-feira com o sonho de Andre Agassi no Aberto da Austrália. Passou até com certa tranqüilidade pelo veterano norte-americano ao vencer em três sets, 6-3, 6-4 e 6-4. Agora, pelas semifinais vai enfrentar o russo Marat Safin, numa partida que repete a decisão do torneio do ano passado, em que o suíço venceu por 7-6, 6-4 e 6-2. “Joguei de forma fantástica para vencer em três sets”, disse o tenista suíço que aplicou 22 aces e 45 winners – bolas vencedoras -.”Para ganhar de um adversário da categoria do Agassi, só mesmo com uma grande performance, como desta partida”.

Sem ter como duvidar da atual superioridade de Roger Federer, o norte-americano Andre Agassi mostrou-se conformado com a derrota e manteve um clima amistoso diante do suíço. Os dois se cumprimentaram com cordialidade e trocaram sinceros sorrisos na rede. “Federer jogou bonito!”, exclamou Agassi, quatro vezes campeão do Aberto da Austrália. “A expectativa dele em se tornar um dos maiores tenistas da história é mesmo compreensível.”

Além destes elogios, Andre Agassi usou de certa ironia para definir o atual momento do número 1 do mundo. “Sugiro ao próximo adversário do Federer não me procurar para saber como deve fazer para vencê-lo. Eu, definitivamente, não sei.”

Federer com este resultado diante de Agassi alcançou o incrível retrospecto de 24 vitórias e zero derrotas diante de adversários entre os dez primeiros do ranking. Além disso, acumula agora 26 vitórias consecutivas, próximo das 29 de Pete Sampras e ainda distante do recorde de Thomas Muster, de 35. Há de se considerar, porém, que a série de vitórias de Federer foi quebrada na segunda rodada da Olimpíada de Atenas – perdeu para Tomas Bercych – um torneio em que os tenistas não relevam tanto quanto um Grand Slam.

Rodada – A próxima rodada promete ainda mais emoções e tênis de alta categoria. Federer enfrenta Marat Safin, que eliminou Dominik Hrbaty, por 6-2, 6-4 e 6-2, em condições favoráveis. Como a temperatura em Melbourne Park superou os 33 graus centígrados, seu jogo foi disputado com o teto da Rod Laver Arena fechado e ar condicionado ligado. Safin vem de três títulos em torneios indoors e sem vento e sol para atrapalharem, seu saque transformou-se numa arma mais que poderosa para derrotar o eslovaco. “Acho que fazer este jogo em quadra fechada, favoreceu bastante o Safin, mas não sei se teria como vencê-lo, afinal, jogou muito bem”, conformou-se Hrbaty.

Sharapova desafia Serena – Na final de Wimbledon do ano passado, um tablóide inglês, sem muito bom gosto ou sutileza, apresentou o jogo de Maria Sharapova e Serena Williams como o da “Bela e a Fera”. Na ocasião, o que foi definido como bela, conquistou o título e a partir de então, Sharapova iniciou uma série de boas vitórias. Agora, vai enfrentar novamente a norte-americana, por uma vaga na final do Aberto da Austrália.

Sob sol forte e um calor de 33 graus centígrados, Sharapova ganhou de Svetlana Kuznetsova, por 4-6, 6-2 e 6-2, no que ela própria definiu como uma das mais difíceis vitórias de sua carreira. Esguia, magra e com tom claro de pele, a conhecida beldade russa parecia exausta após a partida. Estava realmente abatida. “Acho que preciso de uma cadeira de rodas para deixar a quadra”, disse após 2h17 de jogo.

Serena Williams teve momentos mais tranqüilos. Favorecida pela falta de condições físicas de Amelie Mauresmo, que dizia estar sentindo uma contusão, a norte-americana venceu em dois tranqüilos sets, parciais de 6-2 e 6-2. Depois do jogo, sua preocupação era defender-se das insinuações que as Williams estão em declínio, assunto em alta depois da eliminação de Venus por Alicia Molik. “Nós duas passamos por sérios problemas físicos. Somos uma família muito, muito, muito, muito, muito unida e sofremos bastante com o que passamos em casa – referia-se ao assassinato da irmã mais velha, Yetunde Price, ocorrido em setembro p