Stock Car muda eixo de de transmissão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 6 de abril de 2004 as 22:21, por: cdb

A partir da etapa do próximo dia 18, em Interlagos, os carros da Stock Car V8 poderão contar com um eixo de transmissão mais grosso e resistente, em substituição ao que foi utilizado na abertura da temporada em Curitiba. A decisão foi tomada depois da verificação técnica realizada pela Equipe Repsol no carro de Raul Boesel. Segundo o chefe de equipe, Ereneu Boettger, o piloto abandonou na 15ª volta por causa da quebra do eixo de transmissão da articulação homocinética. “Estive na última semana com os organizadores do campeonato e a mudança já está aprovada. Vai depender agora exclusivamente do ritmo de produção do único fornecedor homologado pela categoria”, explicou, acrescentando que outros competidores enfrentaram problema idêntico ao longo dos treinos. “Mas foi a primeira vez que aconteceu com a gente”, ressalvou.

O “check up” nos carros na oficina em Timbó, em Santa Catarina, revelou também o motivo da parada de David Muffato logo na quarta volta. O atual campeão ficou no meio do caminho em função da quebra do parafuso de aço que suporta o conjunto da fixação inferior da suspensão traseira esquerda. A falha do parafuso detonou uma reação em cadeia que provocou o colapso da suspensão. “Verificamos todo o nosso estoque e chegamos à conclusão que fomos vítima de um defeito de fabricação”, informou Boettger. “Para prevenir uma repetição do problema, substituímos todos os parafusos pelos vendidos nas concessionárias autorizadas General Motors.”

Boettger lembrou que é impossível prever uma quebra, apesar do severo controle prévio sobre praticamente todos os componentes de um carro. “Quebras ocorrem em todas as categorias. Em 2000, quando lutava para ser campeão, o Xandy Negrão mandou trocar todos os parafusos do carro antes da última prova. Resultado: quebrou um parafuso e ele perdeu a chance de ganhar o título”, lembrou. Mesmo sem querer justificar o problema envolvendo Muffato, Boettger disse que o piso excessivamente ondulado nos pontos de freada e a zebra alta no Esse de Curitiba exigiram muito das suspensões