Sony anuncia demissão de 20 mil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de outubro de 2003 as 10:36, por: cdb

A Sony, uma das maiores empresas de aparelhos eletrônicos do mundo, com sede no Japão, anunciou nesta terça-feira que planeja cortar 20 mil empregos ao longo dos próximos três anos.

A medida, que representa uma redução de 13% na força de trabalho da companhia, faz parte de um plano de reestruturação anunciado pela empresa.

O custo do programa para combater a queda nos lucros da Sony será de cerca de US$ 3,1 bilhões (R$ 8,9 bilhões), 10% maior do que o esperado inicialmente.

A Sony também anunciou a formação de uma joint venture com a concorrente sul-coreana Samsung para a fabricação de televisores com tela plana. O acordo, no valor de US$ 2 bilhões (R$ 5,7 bilhões), deve resultar na abertura de uma empresa conjunta na Coréia do Sul no início do ano que vem.

A aliança com a Samsung vai garantir à Sony peças para produtos em um setor em que a empresa japonesa ficou para trás de seus principais concorrentes.

‘Passo positivo’

Analistam afirmam que os planos de reestrutução da Sony precisam ir além das medidas anunciadas, mas definiram a iniciativa como “um bom começo”.

“Na verdade, estou tomando isso tudo como um passo muito positivo”, afirmou John Yang, analista da Standard & Poor’s em Tóquio.

“É verdade que eles precisam de medidas mais drásticas, mas o importante é que o presidente (da Sony, Nobuyuki) Idei não está apenas falando, ele está agindo.”

A Sony se tornou alvo de grande pressão nos mercados depois de anunciar que registrou um prejuízo de quase US$ 1 bilhão (cerca de R$ 2,9 bilhões) no primeiro trimestre.

O resultado negativo, que chegou a ser chamado de “choque de abril”, fez com que o valor da companhia sofresse uma redução de 25% em poucos dias.

Vendas

O impacto chegou à relação com os consumidores. Desde então, as vendas do video game PlayStation 2 foram menores do que as esperadas, e a divisão de música e cinema da companhia não conseguiu emplacar os sucessos necessários para reverter a fase ruim da Sony.

No terceiro trimestre deste ano, as vendas registraram um aumento de 0,4%, a primeira alta em nove meses, mas os lucros foram 25% menores do que um ano antes.

O rápido aumento no valor do iene – um dólar, que valia 120 ienes, passou a valer 108 – também atrapalhou o desempenho da Sony ao tornar os produtos fabricados pela empresa japonesa mais caros no exterior.

O novo programa de reestruturação da empresa prevê que 7 mil funcionários – pouco mais de um terço do total de cortes – sejam demitidos apenas no Japão. A direção da Sony não revelou onde ocorrerão as outras demissões.

Além da venda e fabricação de aparelhos eletrônicos, os serviços de atividades financeiras da Sony também devem passar por mudanças e devem ser reunidos em uma única empresa no ano que vem.