Soldados iraquianos se rendem às tropas dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de março de 2003 as 23:22, por: cdb

Toda uma divisão do Exército iraquiano, incluindo seu comandante e cerca 8.000 a 10.000 homens, se rendeu às forças norte-americanas que avançam no sul do Iraque.

A informação foi confirmada em Washington por porta-voz do Pentágono. Segundo o porta-voz, a rendição envolveu a 51ª Divisão de Infantaria do Iraque, mobilizada para proteger a região sul do país.

Mais cedo, o comandante da Divisão já havia se rendido às forças da coalizão que avançavam na direção da cidade de Basra, segundo ainda as fontes oficiais.

O Pentágono calcula que entre 8.000 e 10.000 soldados faziam parte da divisão e considera essa rendição a mais significativa até agora.

Bagdad sob bombas

Os Estados Unidos e seus aliados desfecharam, nesta sexta-feira, o maior de todos os ataques aéreos contra Bagdad. A capital do Iraque foi bombardeada incessantemente por mais de uma hora; dezenas de prédios estão em chamas.

Funcionários do Pentágono referiram-se à ação como o “Dia-A”, a definição de Washington para marcar o começo de bombardeios em grande escala contra a cidade. São os chamados ataques de “choque e intimidação”.

Segundo testemunhas, os mísseis visaram palácios do presidente Saddam Hussein e a sede dos ministérios mais importantes de seu governo, como o da Defesa.

“A cidade queima lentamente”, descreveu o jornalista Mike Nicholson. “Nunca vi nada como isso. As imagens chocam todos por aqui”.

“Eles estão destruindo Bagdad”, concluiu.

Passavam poucos minutos das 20:00, hora local (14:00, em Brasília), quando as sirenes de alarme para ataques aéreos voltaram a soar em Bagdad.

Muito pouco depois, às 20:10, uma chuva de bolas de fogo iluminou os céus da capital iraquiana. O estrondo das explosões estremeceu toda a cidade, que ficou tomada por densas colunas de fumaça.

Os Estados Unidos e seus aliados também bombardearam Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, enquanto que baterias antimísseis eram visíveis em Kirkuk, no norte do país.

Minutos antes das 20:00, o correspondente da CNN Kevin Sites informou ter ouvido as primeiras explosões em Kirkuk.

Em Washington, altos funcionários do governo norte-americano disseram haver “uma confusão completa, uma desorganização total”, entre a liderança iraquiana.

Se Saddam Hussein ainda está vivo, “ele não está no controle minuto a minuto” das Forças Armadas e do governo, disse uma fonte da Casa Branca ao correspondente John King.