Soldado confessa ter participado de execuções em Mato Grosso

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de setembro de 2003 as 04:51, por: cdb

Em dois depoimentos dados na última terça-feira e na última quarta-feira na sede do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), o cabo Hércules de Araújo Agostinho confessou ter participado de mais três execuções além daquelas em que está denunciado.
 
Segundo informações levantadas pela reportagem junto a policiais que participam das investigações, na terça-feira à noite Hércules confessou ter assassinado o ex-policial militar José Romildo Tibaldi da Costa. A informação, no entanto, é negada pelo promotor Mauro Zaque, do Gaeco, que tem mantido as investigações em sigilo.

Já na tarde de quarta, o policial prestou depoimento a dois delegados de Rondonópolis, para quem confessou a participação no assassinato de dois irmãos, crimes ocorridos no centro da cidade entre 1999 e 2000.
 
Com as confissões, sobe para nove o número de mortes em que Hércules ou está denunciado pela Justiça ou reconheceu a autoria. Ele ainda é investigado em outros casos de execução.

A polícia procurou durante boa parte da manhã de quarta no bairro São Mateus, em Várzea Grande, o local onde estaria enterrado o corpo de Tibaldi, que teria sido morto e enterrado por Hércules.
 
Tibaldi foi denunciado à Justiça como o executor da morte do segurança Ildeu Ferreira dos Santos, em abril de 2000. Ildeu trabalhava para o empresário Valdir Piran.

Informações extra-oficias são de que apenas um relógio foi encontrado no local das buscas. Existe ainda a possibilidade de que o corpo possa ter sido retirado do local dias antes da operação, já que havia pontos onde a terra tinha sinais de que fora remexida recentemente. Pelo menos cinco pontos foram escavados.
 
Por cerca de três horas policiais militares do Comando Independente de Operações Especiais (CIOE) e do Grupo de Combate ao Crime Organizado (GCCO) estiveram à procura da cova. Eles tiveram a ajuda de três moradores da região do São Mateus.

A imprensa somente teve acesso ao local após a saída de Hércules e das polícias Civil e Militar. Muitos curiosos assistiam também de longe aos trabalhos. De lá, Hércules seguiu para o Grupo de Combate Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para prestar novos esclarecimentos.
 
Fortemente armados, militares se posicionaram a cerca de trinta metros do local para impedir a entrada de curiosos.

O promotor Mauro Zaque esteve durante a manhã no bairro São Mateus acompanhando os serviços. Ele não falou com jornalistas enquanto esteve lá. À tarde, deu uma rápida entrevista na sede do Gaeco. De manhã, por telefone, Zaque foi questionado se o empresário Valdir Piran era o mandante do assassinato de Tibaldi. Ele respondeu que não poderia fazer qualquer comentário.

O bairro São Mateus fica bem próximo ao Trevo do Lagarto. A região é cercada de matagais e estradas vicinais, chamadas de cabriteiras, que são utilizadas por ladrões de carros para evitar a Polícia Rodoviária Federal (PRF).