Sobreviventes do Holocausto passam necessidades em Israel

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de abril de 2006 as 13:55, por: cdb

Milhares de sobreviventes do Holocausto, segundo denúncia de ativistas, nesta segunda-feira, vivem na pobreza em Israel e não recebem ajuda suficiente do governo. O Ministério das Finanças israelense disse que o governo dedica cerca de US$ 330 milhões ao ano aos sobreviventes do Holocausto, pagando a eles “bem mais” do que o que paga aos outros israelenses idosos pelo serviço de previdência.

Apresentando os dados na véspera do dia em que Israel relembra a tragédia, o Fundo pelo Bem-Estar dos Sobreviventes do Holocausto afirmou que cerca de 80 mil dos 280 mil sobreviventes que moram no país vivem abaixo da linha da pobreza.

– Israel está sempre se lembrando dos mortos, mas esquece os que estão vivos – disse Zeev Feiner, porta-voz do fundo.

Feiner afirmou que muitos sobreviventes são obrigados a viver com algumas centenas de dólares por mês, o que faz com que se privem de itens básicos como remédios e dentaduras. Cerca de 46 mil deles são considerados dependentes do Estado. Nathan Durst, co-fundador da Amcha, um grupo israelense que oferece assistência e orientação aos sobreviventes do Holocausto, acrescentou:

– Eles não têm força para se manifestar. Se choram, choram sem lágrimas.

Uma das razões para a criação de Israel foi fazer com que o país servisse como um refúgio para os sobreviventes do massacre nazista, que matou 6 milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Os grupos ativistas afirmaram que muitos dos sobreviventes que foram para Israel após 1948 receberam indenizações por parte da Alemanha. Outros receberam quantias consideravelmente menores por parte de Israel.

Mas Durst afirmou que muitos dos sobreviventes que hoje vivem na pobreza migraram para Israel provenientes da ex-União Soviética nos anos 1990. Boa parte desses imigrantes não se qualifica para receber indenizações do exterior ou de Israel devido a detalhes técnicos. Os sobreviventes do Holocausto representam cerca de 40% da população israelense com mais de 60 anos de idade.

Feiner afirmou que o Ministério das Finanças havia prometido elevar a contribuição para o Fundo pelo Bem-Estar dos Sobreviventes do Holocausto, mas segundo ele a quantia ainda será insuficiente. Ele disse que, por falta de dinheiro, a organização teve de rejeitar 20 mil pedidos de ajuda de sobreviventes desde sua fundação, em 2005.