Sob pressão, diretor da CIA nega tortura em prisões secretas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de novembro de 2005 as 12:25, por: cdb

Interrogadores da CIA usam métodos “únicos” para obter informações “vitais” de seus prisioneiros, mas obedecem às leis contra a tortura, disse o diretor da CIA Porter Goss, em entrevista publicada nesta segunda-feira. Ele tem sido alvo de pressões de organizações humanitárias, após a divulgação de que existem prisões secretas da agência norte-americana espalhadas pelo mundo.

– A agência não faz tortura. Tortura não funciona. Usamos métodos legais para conseguir informações vitais e fazemos isso de formas únicas e inovadoras, as quais são legais e não são tortura – afirmou Goss ao jornal USA Today.

O senador John McCain propôs uma lei que proíbe a tortura e o tratamento cruel e desumano de presos dos EUA, mas o vice-presidente Dick Cheney tem pressionado o Congresso para isentar a CIA de uma proibição formal.

O jornal afirmou que Goss não quis descrever os métodos de interrogação exclusivos da CIA durante a entrevista. Além disso, o diretor recusou-se a comentar notícias do jornal Washington Post e do grupo Human Rights Watch, segundo as quais a CIA possuiria prisões secretas em países da Europa central.