Sob críticas, quadro de Da Vinci viaja para o Japão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de março de 2007 as 13:19, por: cdb

O célebre quadro de Leonardo de Vinci A anunciação (1472-1476) deixou nesta segunda-feira um museu em Florença, centro da Itália, e seguiu para Tóquio, Japão, onde será exposto, o que provocou muitas críticas.

A pintura a óleo de Leonardo da Vinci, um dos gênios do renascimento italiano, pintor, escultor, físico, arquiteto, escritor e músico, de 2,17 metros por 98 centímetros, foi retirado do museu por um grupo de técnicos especializados, que foram protegidos por policiais responsáveis pela segurança, passo a passo, do quadro.

Importantes medidas de segurança foram adotadas pelas autoridades italianas para proteger a obra, que partirá em um avião do aeroporto de Roma-Fiumicino. O diretor do museu que exibia a obra, Antonio Natali, não quis assistir a retirada do quadro como forma de protesto, já que considera que o quadro é muito delicado para ser submetido a tal viagem.

A anunciação saiu três vezes do museu florentino desde que foi exibido pela primeira vez, em 1786. Em 1935 para ser exposto em Paris e em 1939 quando foi enviado para uma mostra em Milão. A pintura teve que passar a Segunda Guerra Mundial nesta cidade.

Depois que a obra foi instalada dentro de uma caixa especial, impermeabilizada e fabricada com material antifogo, nesta segunda-feira, o senador Paolo Amato, do partido Força Itália de Silvio Berlusconi, se acorrentou a uma das grades do museu para protestar contra “a arrogância” do ministro da Cultura de centro-esquerda, Francesco Rutelli.

A decisão de emprestar o quadro foi tomada pessoalmente pelo ministro Rutelli, apesar da opinião contrária do diretor do museu e do pedido público feito por centenas de intelectuais, entre eles o cineasta florentino Franco Zeffirelli, para que a obra não deixasse o museu.

A anunciação viajará na terça-feira em um avião e será uma das grandes atrações da exposição A primavera italiana organizada em Tóquio. A obra recebeu um seguro de 100 milhões de euros.