Só “defendem” civis e direitos humanos na Líbia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de março de 2011 as 08:05, por: cdb

Enquanto a Europa descobre o tamanho da enrascada em que se meteu (vejam o Destaque no alto do blog), prossegue a ocupação militar do Bahrein pelas forças armadas da Arábia Saudita e do Qatar, com inteiro respaldo e apoio dos EUA.

Mas, esta invasão e a violenta repressão às manifestações de protesto e rebeliões no Iêmen e na Síria não encontram nem na mídia nem nos governos ocidentais o mesmo repúdio e apoio que a oposição teve na Líbia.

As oposições no Marrocos e na Argélia continuam lutando sozinhas e a repressão só aumenta com dezenas de mortos em todos esses países. A pergunta que mais ouvi aqui na Europa é: e agora? Mas, ninguém tem a resposta.

Sensação é de embarque em aventura militarista

Fica a sensação de que uma nova aventura militarista e geopolítica norte-americana foi iniciada sob o manto humanitário da defesa da população civil e dos direitos humanos sem que as conseguências tenham sido devidamente avaliadas.

E fica claro que os invasores só têm essa “preocupação” em relação à Líbia, governada por um inimigo dos EUA. Nenhuma potência preocupa-se em proteger as populações civis e os direitos humanos nos outros países conflagrados.

Na Líbia (e nos outros países árabes e do Oriente Médio) cada governo e país atuou segundo seus interesses – os dos EUA, derrubar o presidente Muamar Kaddhafi, impecilho a que eles assumam o controle do petróleo líbio.

Alguns destes países, inclusive, há anos vinham mantendo relações especiais com Kaddhafi. Nem vamos longe: são os casos da França do presidente Nicolas Sarkozy, da Itália do premiê Sílvio Berlusconi, e do próprio governo norte-americano, cuja secretária de Estado, Hillary Clinton, há não mais que dois anos declarava que Washington queria estreitar relações com o regime líbio.