Sinal vermelho para os brasileiros que querem entrar na Inglaterra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de novembro de 2003 as 15:06, por: cdb

Nesta sexta-feira, em uma conversa informal com um grupo de brasileiros que acabou de chegar do Brasil, pude sentir o que realmente está acontecendo na Inglaterra quando a questão é o numero de brasileiros querendo entrar no país.

Simplesmente, todos, 100% dos brasileiros que chegam aos grandes aeroportos ingleses estão sendo detidos por algumas horas antes de ter a sua entrada liberada, ou não.

Rogério Gomes, 32 anos, chegou com um curso de inglês pago, com uma carta do lugar onde trabalha no Brasil e com 500 libras. Chegou no aeroporto de Gatwich às duas da tarde, foi liberado somente às 20hs.

Durante o tempo que ficou “detido”, os fiscais da imigração ligaram para a sua casa no Brasil, para o lugar onde ele disse que trabalhava e para o hotel onde ele disse que ficaria. Depois de checadas todas as informações, ele teve seu passaporte carimbado com permanência de seis meses.

Patrícia Tavares, 23 anos, chegou no aeroporto de Heatrow ao meio-dia. Apenas onze da noite foi liberada para sair, mas com o seu passaporte retido.

Os fiscais disseram para que ela voltasse no dia seguinte, com a bagagem em mãos para uma nova averiguação. Ela não voltou. Está sem passaporte, portanto ilegal.

Casos como esse, antes exceções, agora são regras. Não conheço ninguém que tenha entrado no país sem ter problemas. Na verdade, eles têm até razão em querer proteger o seu país de pessoas que venham tomar postos de emprego de quem já é daqui, fugindo da situação miserável do terceiro mundo. Mas não é isso que se questiona. No ano passado começou a ser questionada a exigência de um visto tirado no Brasil. Houve protestos, mas é melhor e mais seguro para ambas as partes.

É inevitável que pessoas que estão passando por dificuldades em seus países queiram tentar uma vida melhor em outros, como acontece dentro do próprio Brasil, com relação ao famoso fluxo de pessoas que saem do Nordeste e vão para o Sudeste. É obrigação da fiscalização não deixar que isso aconteça, para proteger a própria economia do país. Mas existem meios mais diplomáticos de se fazer isso.

No mês passado, o governo brasileiro proibiu um vôo charter que saía de Londres com 96 brasileiros extraditados de pousar no país. A intenção do governo britânico soa mais ou menos como um “navio negreiro” às avessas.
 
O pavor do governo britânico são os próximos dez países que a partir do ano que vem entram para a Comunidade Européia. A maioria não tem lá uma economia sustentável e os poloneses, por exemplo, estão contando os dias em carneirinhos com libras estampadas.

A situação está mais difícil, cada vez mais, para os brasileiros que tentam respirar em outro lugar.