Silvinho depõe na CPI dos Bingos sem proteção do STF

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de maio de 2006 as 22:55, por: cdb

Ex-secretário-geral do PT, envolvido no esquema do valerioduto, Silvio Pereira presta depoimento à CPI dos Bingos, nesta quarta-feira, sem qualquer amparo judicial para se negar a responder às perguntas dos senadores. O direito de permanecer calado, concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a outros depoentes, foi negado ao ex-dirigente petista na noite desta terça pelo ministro Marco Aurélio de Mello. Ele ficará sujeito a ser preso se prestar falso testemunho ou recursar-se a responder, informou um assessor da CPI.

Em entrevista publicada domingo pelo jornal O Globo, Silvinho, como é chamado pelos petistas, disse que o empresário Marcos Valério planejou arrecadar R$ 1 bilhão intermediando interesses de empresas privadas no governo. A entrevista reinstalou o escândalo do mensalão na agenda política e a CPI dos Bingos decidiu convocar o ex-secretário. O ministro Marco Aurélio rejeitou petição do advogado Iberê Bandeira de Mello, para que o depoimento de Silvinho fosse suspenso, ou, pelo menos, fosse restrito ao “fato determinado” que a CPI investiga (relações entre casa de jogos e crime organizado).

O advogado queria estender os efeitos de liminar concedida no ano passado, quando o ex-dirigente petista foi convocado para falar sobre suas relações com Rogério Buratti, ex-assessor de Antonio Palocci.

“A cautelar deferida anteriormente não valerá para esse depoimento”, informou a assessoria do STF. Em seu despacho, Marco Aurélio afirma que a decisão anterior era para um caso específico e “não cabe redirecioná-la para fato posterior”.

Advogados do ex-dirigente petista apresentaram também um laudo médico para sustentar a suspensão do depoimento. Segundo o laudo, Silvio Pereira estaria “absolutamente descompensado emocionalmente, propendendo para o lado depressivo, com ideações de menos valia bem como de autoextermínio”.