Siameses egípcios separados nos EUA estão bem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 13 de outubro de 2003 as 11:12, por: cdb

Os siameses egípcios de dois anos de idade dormem em camas separadas após uma operação que durou 26 horas, mas os médicos advertem que eles têm pela frente uma longa recuperação. A separação das crianças foi realizada neste domingo às 11h17 locais (13h17 pelo horário de Brasília) no Centro Médico Infantil de Dallas, após 26 horas de intervenção cirúrgica.

Os cirurgiões plásticos trabalharam em seguida outras sete horas para fechar as feridas enxertando tecidos dos músculos dos meninos em seus crânios, que antes estavam unidos. Ainda sob o efeito dos sedativos, os gêmeos estão hoje em estado crítico estável, mas os médicos advertiram sobre potenciais complicações e que haverá pela frente uma longa recuperação.

“Estamos muito satisfeitos com este resultado, mas a recuperação pós-operatória determina o resultado final”, disse Dale Swift, um dos cinco neurocirurgiões que trabalharam na operação para separar os siameses. “Nas próximas semanas vamos acompanhá-los muito preocupados. Este é um longo caminho”, disse.

Uma sala cheia de familiares e pessoas ligadas à família explodiu em vivas e lágrimas quando uma enfermeira anunciou pouco depois das 11h de domingo: “temos dois meninos”. O pai “saltou e se pendurou no meu pescoço e me abraçou e desmaiou”, disse Nasser Abdelal, um pediatra que havia cuidado dos siameses no Cairo e que viajou ao Texas com os pais para a operação. “Por outro lado, a mãe chorava, como todos os outros, e estava ali agradecendo a todos”, acrescentou.

Ahmed e Mohamed Ibrahim, que nasceram unidos pela cabeça em um povoado a 800 quilômetros ao sul do Cairo, vivem em Dallas desde junho de 2002, onde os cirurgiões estudaram o caso por mais de um ano.