Sharon: ‘é ruim para Israel manter palestinos sob ocupação’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de maio de 2003 as 08:47, por: cdb

O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, provocou surpresa ao descrever a presença militar de Israel na Faixa de Gaza e na Cisjordânia como uma “ocupação” – algo incomum entre as autoridades israelenses.

– Acho que a idéia de manter 3,5 milhões de palestinos sob ocupação é a pior coisa para Israel, para os palestinos e também para a economia de Israel – disse Sharon, de acordo com o jornal Maariv.

Nos próximos dias, Sharon deve se encontrar com o primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas – conhecido como Abu Mazen -, em Jerusalém, para discutir a implementação do novo plano de paz para a região.

O encontro deve preparar o caminho para uma reunião de cúpula que incluiria o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush.

Críticos

De acordo com Israel, o presidente Bush está avaliando a possibilidade de uma reunião de cúpula na Jordânia, na próxima semana.

O ministro de Relações Exteriores de Israel, Silvam Shalom, disse que as conversas seriam centradas na implementação do plano de paz.

A reunião entre Sharon e Mazen será o primeiro contato de alto nível entre israelenses e palestinos desde que o governo de Israel aceitou o plano de paz que prevê a criação de um Estado palestino em 2005.

Na segunda-feira, Sharon recebeu duras críticas de dentro de seu próprio partido, o Likud, quando 11 de seus ministros e deputados fizeram duros ataques ao plano de paz, de acordo com a rádio do Exército israelense.

Violência

Críticos do primeiro-ministro israelense expressaram dúvidas sobre seus comentários citados pelo jornal Maariv.

De acordo com eles, a atual disposição para chegar a um acordo é simplesmente uma manobra política, pois Sharon não estaria esperando que a proposta seja testada.

Em meio às discussões, um menino palestino de 11 anos foi morto a tiros na Cisjordânia durante um confronto entre jovens que atiravam pedras e soldados israelenses.

Um homem palestino também foi morto a tiros ao tentar se infiltrar em Gaza e outro se rendeu, de acordo com informações de militares israelenses.