Sexo, sexo e mais sexo na Terra da Rainha. Será?

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de outubro de 2003 as 11:21, por: cdb

A impressão de que a Inglaterra é um pais conservador só existe na cabeça de quem nunca passou por aqui. Na verdade, a Inglaterra “o foi”, mas não é mais.


Sexo é a palavra de ordem. Se fala em sexo o tempo todo. Ligar a televisão e ver cenas de sexo quase explícitos às nove horas da noite é normal. O seriado que faz mais sucesso no horário nobre é “Sexy in the City“, que mostra as aventuras de três mulheres em busca de um homem ideal em Nova York. Na semana passada foi ao ar uma seqüência de cenas em que a protagonista da mini série fazia sete posições do Kama Sutra, dignas de fazer inveja a muito filme pornô.


Na terceira página do The Sun, o tablóide mais vendido do mundo, há sempre uma garota semi-nua. No Daily Sports, há na capa, todos os dias, alguma mulher em posição digamos, nada comportada. Aqui a Playboy não faz sucesso, mas os magazines com sexo explícito fazem e muito. Uma das pessoas mais famosas entre os súditos da Rainha é Jordan. Uma inglesa com três próteses de silicone nos seios e que tem um filho com um jogador de futebol e que sai nua ou fazendo sexo com celulares e garrafas de vinho em jornais diários.


O homossexualismo também é tratado de forma mais que natural. Garotas se beijam às sete horas da noite na novela que existe há mais de dez anos, Coronation Street. No canal de TV paga, Bravo, um repórter experimenta como é beijar e transar com outro homem e isso também esta no ar antes da meia-noite.


É uma ambigüidade. Nessa semana, a pesquisa de um dos centros de saúde mais respeitados da Europa dizia que os ingleses são os que menos fazem sexo na Europa. Contudo, a TV inglesa é a que mais mostra e fala sobre sexo.A explicação para tal fato é que os ingleses consomem cigarro, bebidas e drogas mais do que os outros europeus. E, segundo a pesquisa, esse alto consumo faz cair o desejo e a potência sexual.


Enquanto aqui os ingleses falam muito e parecem menos à vontade para fazer, homens de outras nacionalidades vão ganhando seu espaço. A revista OK, com sua editoria quase toda em comportamento, trás na capa de hoje que os homens italianos, brasileiros e espanhóis são os preferidos das mulheres na Inglaterra.


Os ingleses já perderam sua cidade para o mundo. Será que vão perder as suas mulheres também?