Setor público economiza mais para pagar dívidas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de março de 2006 as 11:27, por: cdb

O setor público, que reúne União, Estados, municípios e estatais, consolidado registrou superávit primário de R$ 4,729 bilhões em fevereiro, destinados inteiramente ao pagamento de dívidas, informou o Banco Central nesta terça-feira. A cifra ficou acima do superávit de R$ 4,046 bilhões em fevereiro do ano passado. O superávit acumulado nos dois primeiros meses do ano, contudo, recuou para US$ 7,795 bilhões ante R$ 15,419 bilhões no primeiro bimestre de 2005. O BC informou ainda que a dívida líquida total do setor público ficou estável em 51,7% PIB em fevereiro. O déficit nominal do país foi equivalente a 4,01% do Produto Interno Bruto (PIB) nos 12 meses até fevereiro, ante 3,98% nos 12 meses até janeiro.

A meta de 2006 é de 4,25%. No ano passado, com a mesma meta, o governo fez 4,38%. Já no acumulado de 12 meses, o superávit está em 4,37% (85,199 bilhões).

O governo da União é o que, até agora, mais tem contribuido para essa economia, com um superávit de R$ 6,582 bilhões. Estados e municípios registraram nos dois primeiros meses do ano um superávit de R$ 3,829 bilhões. Apenas as empresas estatais registraram déficit, que foi de R$ 2,616 bilhões. O superávit não foi suficiente para arcar com todos os gastos com juros, que somaram R$ 31,276 bilhões, um crescimento de 30,4% sobre o mesmo período do ano passado. Com isso, o déficit nominal –receitas menos despesas, incluindo gastos com juros– foi de R$ 23,481 bilhões no primeiro bimestre, ou 7,33%, contra R$ 8,57 bilhões no acumulado até fevereiro do ano passado (2,93% do PIB).

Estatais

O superávit primário no mês passado foi de R$ 4,729 bilhões. A maior contribuição, mais uma vez, veio do governo central, com um resultado positivo de R$ 3,271 bilhões. Já os governos regionais (Estados e municípios) fizeram um superávit de R$ 1,188 bilhões. O menor resultado positivo foi o das estatais, R$ 269 milhões. Em janeiro, a relação entre a dívida e o PIB ficou estável em relação a janeiro, em 51,7% (R$ 1,021 trilhão). Em dezembro, estava em 51,6% do PIB.