Sérvia decreta emergência após assassinato de premier

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de março de 2003 as 10:31, por: cdb

O primeiro-ministro sérvio, Zoran Djindjic, foi assassinado nesta quarta-feira em Belgrado. Djindjic recebeu dois tiros, um deles no peito, ao ser atacado na frente do prédio do Parlamento sérvio às 13h00 no horário local (9h em Brasília). Ele foi levado ao hospital e estava sendo submetido a uma cirurgia.

Djindjic, ex-prefeito da capital sérvia, foi um proeminente líder da oposição durante o governo do presidente iugoslavo Slobodan Milosevic.
Duas pessoas foram presas, mas a polícia ainda não forneceu mais detalhes sobre o ataque. Na época, o premier disse que não descartava a possibilidade de que tivesse sofrido uma tentativa de assassinato. Testemunhas contaram ter visto duas pessoas sendo detidas após o atentado. Outro teria ficado ferido.

– O governo sérvio propôs a imposição de um estado de emergência em todo o território da república da Sérvia -, disse vice-premier Nebojsa Covic, após uma reunião de emergência do governo. O Parlamento aprovou a proposta.

Uma autoridade da coalizão que governa o país, a DOS, disse que o governo havia indicado Covic para primeiro-ministro em exercício. Segundo a imprensa local, todos os vôos saindo do aeroporto de Belgrado foram suspensos.

Djindjic teria feito muitos inimigos devido às suas políticas reformistas e a suas posições pró-Ocidente. O premier sempre manifestou apoio a uma maior cooperação com o tribunal das Nações Unidas em Haia, na Holanda, onde o ex-presidente iugoslavo Slobodan Miloevic enfrenta um julgamento sob as acusações de genocídio e crimes contra a humanidade, relacionados às guerras que desintegraram a antiga Iugoslávia, na década passada.