Serraglio diz que pontos do relatório são ‘inegociáveis’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de abril de 2006 as 18:41, por: cdb

O impasse em torno do relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquéritos (CPMI) dos Correios terminou por adiar para esta quarta-feira a votação do documento, marcada para esta terça. O relator, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), considerou alguns pontos do documento “inegociáveis”.

Na reunião desta manhã, o Partido dos Trabalhadores apresentou um voto em separado que modifica algumas partes do relatório final de Serraglio. O deputado afirmou que pode fazer algumas alterações no documento, mas não negocia pontos como a manutenção dos pedidos de indiciamento dos ex-ministros José Dirceu e Luiz Gushiken e as referências sobre antecipação de recursos do Banco do Brasil, pela Visanet, para o chamado “valerioduto”.

Além disso, Osmar Serraglio não acredita que todo esquema de repasse de recursos de Marcos Valério para parlamentares seja apenas caixa dois.

– Estou convencido de que os parlamentares foram efetivamente pagos com aqueles valores, para aqueles fins: alimentação de um sistema que era para manter a base aliada – afirmou o relator da CPI dos Correios.

Ele teme que não seja votado um documento final da comissão.

– Acho que ainda há tempo para refletir. Se quiserem fazer opção por caixa dois, eles que arrumem votos para isso. Meu medo não é isso. Vão derrubar o meu, e já dizem que não tem votos para o deles. Como quem diz assim: não vai ter relatório. Aí, é muito triste – disse.

Para o relator, a possível votação de um relatório paralelo é um “péssimo sinal”.

– O PT perdeu oportunidade de ter aprovado isso sem esse estardalhaço. Por que estão insistindo que o mensalão não existe? – questionou Serraglio.

O deputado ACM Neto (PFL-BA), sub-relator para Fundos de Pensão, disse que oposição pretende votar com o relator.

– Fechamos questão de apoio irrestrito – afirmou.

Pelo regimento, os deputados e senadores deverão votar primeiro se aprovam ou não o relatório de Serraglio. Se o documento for derrubado, o presidente da comissão, senador Delcídio Amaral (PT-MS), deverá escolher um relator do vencido, que apresentará novo documento.