Serra troca o nome da 1ª dama e cobra Lula em público

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de dezembro de 2005 as 14:04, por: cdb

Durante inauguração de uma nova etapa do aeroporto de Congonhas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), evitaram temas políticos. Foi o primeiro encontro após a divulgação de pesquisas de opinião que apontam a liderança de Serra na corrida presidencial de 2006. Serra cometeu uma gafe em seu discurso ao trocar o nome da primeira-dama, Marisa, por Maria e, durante a cerimônia, o presidente e o prefeito evitaram estar lado a lado, ficando separados por Marisa e pelo ministro do Trabalho, Luiz Marinho.

Serra, que discursou antes de Lula, afirmou que as divergências partidárias não devem interferir nas parcerias entre a cidade e a União e cobrou de Lula uma solução para a propriedade do Campo de Marte, um tema de 73 anos. Lula disse que aceita a discussão sobre o Campo, que será sobre uma “data histórica”.

– Vamos trabalhar juntos ao longo dos anos, independentemente de quaisquer questões de natureza partidária. O que temos que fazer sempre em governo é juntar esforços em prol do interesse público – afirmou Serra, um dos presidenciáveis do PSDB e derrotado por Lula nas eleições de 2002.

O prefeito afirmou que “chegará às mãos” de Lula um acordo que está sendo alinhavado entre a Prefeitura e o Ministério da Defesa sobre o Campo de Marte. A sugestão de Serra é transformar uma parte do aeroporto, que ocupa área de 2,1 milhões de metros quadrados, em um parque para a população da Zona Norte.

– Eu fico esperando que a discussão do Campo de Marte chegue até minha mesa porque naquela guerra São Paulo perdeu para o Estado brasileiro, então vai ser uma discussão de uma data histórica – rebateu Lula, explicando que São Paulo merece tudo que o governo federal faça pela cidade, em função de sua importância no país.

Desde o Movimento Constitucionalista de 1932, quando o Campo foi tomado pelas tropas de Getúlio Vargas, a área deixou de pertencer à Prefeitura, situação que os governos municipais tentam alterar. Em Congonhas, a Infraero inaugurou nesta sexta-feira quatro novas pontes de embarque, que agora tem 12. O governo federal e a Prefeitura assinaram em novembro parceria para construir uma passagem subterrânea com o objetivo de facilitar o trânsito nas imediações do aeroporto.