Senadores pressionam Dnit por recuperação da BR-364 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de março de 2012 as 09:35, por: cdb

Os três senadores por Rondônia Acir Gurgacz (PDT), Valdir Raupp (PMDB) e Ivo Cassol (PP) cobraram do diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), general Jorge Fraxe, a recuperação urgente da BR-364 nos 700 quilômetros entre o município de Vilhena e a capital, Porto Velho.

Em audiência pública nesta quinta-feira (1º) na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), o apelo da bancada de Rondônia recebeu apoio de Jayme Campos (DEM-MT) e Delcídio Amaral (PT-MS). Em resposta, Fraxe informou que o Dnit realiza no momento um atendimento emergencial de “tapa-buraco” e em 30 dias deverá lançar edital para a reconstrução dos trechos danificados.

– Estamos em época de chuva e, com chuva, não tem o que se faça que fique bom. Colocamos duas equipes lá e estamos em atendimento de emergência. Mas a restauração pesada será com as licitações e vamos começar pelo trecho que está mais danificado – explicou.

Mesmo reconhecendo as dificuldades de trabalho em época de chuvas, o senador Acir Gurgacz foi enfático ao cobrar ações imediatas, dizendo que a precariedade da rodovia coloca em risco a segurança da população que precisa trafegar na via e inviabiliza o escoamento da produção agrícola da região.

– É preciso um projeto efetivo, emergencial, para restabelecer a normalidade na região e evitar que mais pessoas percam a vida. O Dnit não pode apenas mandar uma caçamba para jogar areia nos buracos que se formaram na BR – frisou.

Presidente da CRA, Gurgacz abriu a reunião apresentando imagens que mostram a precariedade da via e os acidentes ocorridos em decorrência de grandes buracos que se formaram, destacando a gravidade da situação por ser a BR-364 responsável por ligar Rondônia, Roraima e o Acre ao centro do país.

Ao destacar a vocação da região para a agropecuária, Delcídio Amaral apontou as dificuldades de escoamento da safra. Ele registrou a realização de grandes obras para a geração de energia, como as hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau no Rio Madeira, mas ressaltou que o país precisa “superar os obstáculos de logística”.

– Não conseguiremos desenvolver um estado ou uma região se a logística não funcionar – observou, ao destacar o esforço do general Fraxe, que assumiu a direção do Dnit há seis meses, para dar transparência na gestão do órgão.

Para Valdir Raupp, o Brasil vive o paradoxo de ser a sexta economia do mundo e ter “uma infraestrutura de terceiro mundo, totalmente atrasada”. O senador defendeu a contratação de engenheiros para o Dnit e Ministério dos Transportes, para a elaboração de projetos e acompanhamento de obras.

– Precisamos entrar na era da duplicação de rodovias. O país está muito atrasado. Estou há 35 anos em Rondônia e nunca vi a rodovia como está hoje – disse, e se emocionou ao falar de acidente ocorrido na rodovia que vitimou Expedito Macedo, ex-vereador de Cacoal.

Também Ivo Cassol lamentou a morte do ex-vereador e de outras vítimas da precariedade da rodovia e disse que a BR-364 é conhecida como “rodovia da morte”.

Iniciativa privada

Os senadores pediram a Jorge Fraxe informações sobre estudos que estão sendo feitos para adoção de um modelo de parceria público-privada na manutenção futura da BR-364 e Delcídio Amaral perguntou se o novo sistema incluirá a cobrança de pedágio para os usuários da rodovia.

O diretor do Dnit não deu detalhes sobre o modelo em estudo, mas afirmou que não haverá cobrança de pedágio e que o governo busca “um modelo que atenda à sociedade brasileira”.

Em resposta a questionamento de Jayme Campos sobre opções de transporte no país, Fraxe afirmou que 2012 será “o ano das hidrovias”.

– Estou pensando em terceirizar a gestão do transporte hidroviário – disse.

Iara Guimarães Altafin / Agência Senado