Senadores da CPI do futebol iniciam peregrinação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de dezembro de 2001 as 00:13, por: cdb

Para impedir que a CPI do Futebol acabe em pizza, o presidente e o relator da comissão, senadores Álvaro Dias (PDT-PR) e Geraldo Althoff (PFL-SC), respectivamente, iniciam nesta terça-feira a peregrinação pelos órgãos encarregados de punir os 17 envolvidos em denúncias de corrupção nos clubes, federações e na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) apuradas pelo Senado. Estão na lista, entre outros, os presidentes da CBF, Ricardo Teixeira, do Vasco da Gama, deputado Eurico Miranda (PPB-RJ), do Flamengo, Edmundo Santos Silva, e da Federação Paulista, Eduardo José Farah.

O primeiro encontro dos senadores será, na tarde desta terça-feira, com o procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. Na quarta, eles entregarão o relatório da comissão ao ministro do Esporte e Turismo, Carlos Melles. Na quinta-feira, Dias e Althoff irão pedir ao presidente da Câmara, Aécio Neves, que providencie a abertura de um processo de cassação de mandato contra o presidente do Vasco, deputado Eurico Miranda (PPB-RJ). O pedido é motivado “pela prática de atos desabonadores à sua conduta e atentatórios ao mandato parlamentar e à prática de crimes comuns no exercício do mandato”.

Cabe ao procurador-geral encaminhar aos ministérios públicos estaduais as acusações contra as pessoas denunciadas pela CPI, menos daqueles que possuem foro privilegiado, como é o caso de Eurico. Por dispor de mandato, o presidente do Vasco tem um tratamento diferente. Por isso, é responsabilidade do próprio Brindeiro pedir a abertura de processo contra ele ao Supremo Tribunal Federal(STF).

Eurico deverá ainda ser processado na Câmara por falta de decoro parlamentar. Os procedimentos suspeitos do presidente do Vasco há muito já são de conhecimento dos ministros do Supremo. Desde 1999, o tribunal recebeu sete pedidos de abertura de processo contra ele. Quatro desses foram objetos de pedidos de licença à Câmara dos Deputados para processá-los. Apenas um deles foi votado e rejeitado: o que foi movido pelo governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, após ter sido xingado publicamente por Eurico no ano passado, no final da Copa João Havelange, quando do desabamento do alambrado do estádio São Januário.

A peregrinação dos senadores se estenderá até a semana que vem, com a entrega do relatório da CPI do Futebol aos ministros da Previdência, Roberto Brant, e da Fazenda, Pedro Malan. A iniciativa se deve ao fato de as investigações terem identificado evasão de divisas e farta sonegação dos impostos devidos à Receita Federal e à previdência.

Muitas das informações examinadas pela comissão não chegam aos ministérios, já que grande parte delas foram obtidas mediante a quebra do sigilo de informações fiscais e bancárias. Antes do fechamento do relatório e para apressar a cobrança, Dias e Althoff encaminharam inúmeros dados à Secretaria da Receita Federal e ao Banco Central.