Senado norte-americano poderá destinar US$ 100 bi para reaquecer economia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de setembro de 2001 as 18:13, por: cdb

O chairman do Federal Reserve (Banco Central americano), Alan Greenspan, e o ex-secretário do Tesouro Robert Rubin disseram nesta terça-feira ao senadores da Comissão de Finanças que qualquer plano, incluindo redução de impostos para estimular a economia, deve ser grande o suficiente para realmente ser eficaz, possivelmente de cerca de US$ 100 bilhões.

Segundo senadores presentes à reunião, Greenspan e Rubin, em encontro a portas fechadas, concordaram que um pacote de estímulo de cerca de 1% do Produto Interno Bruto do País seria um bom indicador.

Eles contaram ainda que houve consenso geral entre Republicanos e Democratas de que qualquer estímulo deveria ser temporário. “Talvez limitado a dois ou três anos”, para salvaguardar contra os efeitos negativos de longo prazo, como déficit orçamentário e taxas hipotecárias muito altas.

– Acredito que o estímulo tem que ser temporário mas siginificativo o suficiente para fazer a diferença – disse Charles Grassley, senador Republicano pelo estado de Iowa.

Não foi tomada nenhuma decisão sobre cortes específicos nas taxas ou sobre o procedimento de um pacote de estímulo. Mas o montante de US$ 100 bilhões é muito maior do que os legisladores haviam sugerido na semana passada, quando Greenspan pediu ao Congresso para não acelerar uma proposta no “calor dos atentados terroristas que poderia ter conseqüências incertas”.

O senador Max Baucus, presidente da Comissão de Finanças, disse que os legisladores ainda não estão certos de que a ajuda de US$ 100 bilhões incluiria algumas das medidas de estímulo já em andamento. No entanto, admitiu que as medidas poderiam vir num contexto de medidas adicionais.

O Congresso já aprovou um gasto adicional de US$ 40 bilhões para ajudar a nação a aumentar a segurança para lidar com os ataques. Além disso, aprovou também um pacote de US$ 15 bi de ajuda às companhias aéreas para se recuperarem do desastre em suas operações provocado pelos atentados do dia 11.

– Há um estímulo muito grande à economia já em andamento – disse.

Segundo Baucus e Grassley, Greenspan reafirmou que os legisladores devem aguardar a divulgação de mais indicadores econômicos, antes de decidir se uma nova redução de impostos é necessária para estimular a confiança do consumidor.