Semmas e Consulado Geral do Japão assinam convênio para construção de poços artesianos na RDS do Tupé

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2012 as 13:27, por: cdb

A Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Tupé, unidade de conservação gerida pela Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), será contemplada com a construção de poços artesianos solares, que beneficiarão diretamente as famílias que residem nas comunidades que integram a reserva. A construção será viabilizada por meio de um contrato de doação firmado entre a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) e o Consulado Geral do Japão, que fez o repasse de recursos da ordem de US$ 100 mil para a obra. O contrato foi assinado no último dia 16/03, na sede do Consulado Geral do Japão, no Adrianópolis, pelo subsecretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Adilson Cordeiro, e o vice-cônsul-geral do Japão, Hiroaki Aizawa. Os recursos serão encaminhados para o Fundo Municipal de Desenvolvimento e Meio Ambiente (FMDMA) para que possam ser aplicados na aquisição de material para a execução do projeto.

A ideia é fazer com que até o final deste ano sejam construídos pelo menos três poços artesianos em três comunidades diferentes com tecnologia de geração de energia alternativa, utilizando paineis fotovoltaicos (placas solares) que vão gerar a energia para a captação da água do subsolo. As comunidades a serem beneficiadas ainda não foram definidas. O processo de escolha será feito de forma participativa, levando-se em conta as necessidades locais. Há comunidades que já possuem poços artesianos, com uso de energia gerada a partir da queima de óleo diesel, o que não é apropriado e acaba gerando impacto com o lançamento de gases de efeito estufa. A opção pela nova tecnologia gerada a partir da placas fotovoltaicas não gera resíduos e é considerada energia limpa e utiliza os raios solares abundantes na nossa região.

O contrato prevê a apresentação de relatórios sobre o andamento do projeto e o prazo de conclusão da obra é de um ano, a contar da data da assinatura. A parceria é resultado de uma série de tratativas iniciadas pela Assessoria de Relações Internacionais da Semmas. O assessor de Relações Internacionais, Luiz Carlos Mestrinho, explica que a importância do projeto se deve ao fato dele ter o foco voltado para as pessoas que vivem nas comunidades existentes na RDS do Tupé. “São cidadãos que vivem numa área protegida que permite a coexistência das comunidades tradicionais e que merecem ter acesso a recursos básicos para a qualidade de vida”, afirmou ele. Os recursos deverão ser utilizados para a aquisição dos produtos e serviços como materiais de construção, sistema de bombeamento e interligação e chafariz.

A RDS do Tupé possui seis comunidades – São João do Tupé, Livramento, Colônia Central, Tatu, Julião e Agrovila Amazonino Mendes. Maria Dineia Reis da Silva, 48, moradora da Colônia Central, diz torcer para que a sua comunidade seja a contemplada pelo projeto. Segundo ela, as cerca de 40 famílias residentes no local dispõem apenas de um poço artesiano com sistema manual para obtenção da água. “Além de ser pequeno, não dá conta da demanda e é preciso ter força para puxar a corda”, observou ela, acrescentando que a comunidade também utiliza captação da água da chuva para realizar serviços domésticos. “No verão, a situação piora porque a chuva vai embora. A gora, como está chovendo bastante ainda temos água para lavar louça e outras atividades domésticas, graças à chuva”, afirmou. A cacimba é a única fonte de água potável da comunidade.

 

Mais informações:Assessoria de Comunicação
Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas)
Prefeitura Municipal de Manaus (PMM)
Contatos : (92) 3236-9423