Seminário Cidades de Periferia: Brasil, França e Argentina defendem soluções compartilhadas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de janeiro de 2012 as 14:00, por: cdb

A urgência nas soluções compartilhadas, com experiências criativas para viabilizar o desenvolvimento com sustentabilidade e qualificar a vida urbana nas metrópoles foram destacadas na manhã desta quinta-feira, 26, em Canoas. Conferencistas do Brasil, França e Argentina participam do Seminário Internacional de Cidades de Periferia – Rede Falp.

Aberto na manhã de ontem, com a conferência do sociólogo português Boaventura de Souza Santos, essa inciativa reúne autoridades e especialistas em gestão pública de seis países da América Latina e Europa, além de gestores públicos de grandes capitais brasileiras.

Compromisso político

As atividades de hoje foram abertas pelo coordenador do programa Cidades Sustentáveis, da Rede Nossa São Paulo, Oded Grajew. Ele destacou a urgência de ações práticas pelo desenvolvimento local sustentável no País. Para isso, propõe para as próximas eleições o “Voto Sustentável”, que será apresentado aos candidatos a prefeito de todas as cidades do País, exigindo o compromisso de metas e indicadores de desenvolvimento dos gestores públicos locais.

“O atual modelo de desenvolvimento ameaça a própria sobrevivência da espécie humana, pois está dilapidando o planeta. Por isso, mais do que discussões, é urgente fazer”, ressalta Grajew. Para ilustrar essa proposta, ele apresentou um vídeo e material publicitário da campanha, baseados em experiências exitosas de vários países do mundo. (confira mais: http://www.cidadessustentaveis.org.br/).

Também apresentaram suas experiências e análises na ocasião o prefeito de Nanterre, Patrick Jarry, e o vice presidente do Conselho Seine-Saint Denis, Jean-François Baillon – ambos da França, a diretora de Políticas Ambientais de Morón (Argentina), Marina Parrai, e a prefeita de Contagem (MG), Marília Campos.

Na ocasião, Jarry apresentou cinco motivos que, segundo ele, justificam por que as cidades de periferia devem se mobilizar em prol da mudança: a gravidade da situação, o acesso dificultado às capitais, a solução global – social, democrática e ambiental, a necessidade de um pensamento solidário, as periferias são estratégicas no desenlvolvimento das metrópoles.

Compartilhar saberes

Já a conferecista Argentina, Marina Parrai, destacou a importância da combinação de saberes em prol da construção de soluções para as cidades. Nesse sentido, ela destacou que há também um embate de ideias em jogo. “As mudanças climáticas não se resolvem apenas com mais tecnocracia, mas é preciso levar ao debate problemas que são profundamente políticos e ideológicos”, nota.
O segundo palestrante da França, Jean François Baillon, destacou entre as experiências de sua cidade, os “Jardins Compartilhados”, que integra saberes e culturas agrícolas em ambientes de grande diversidade étnica. “Mais do que periferias, as cidades que vivem ao redor das capitasis devem ser “territórios solidários”, salienta.

Com o tema “Cidades de Periferia: mudanças climáticas e o desafio para metrópoles solidárias e sustentáveis”, o seminário Rede Falp é realizado pelas prefeituras de Canoas e São Leopoldo, a partir do Fórum de Aultoridades Locais de Periferias (Falp), e está inserido na programação do Fórum Social Temático 2012. O evento se estende até esta sexta-feira, 27. Todas as atividades são gratuitas, com tradução simultânea e a inscrição pode ser feita na hora.

O terceiro dia desse evento ocorre no Centro de Eventos de São Leopolodo, com apresença dos prefeitos de Canoas, Jairo Jorge e de São Leopoldo, Ary Vanazzi, além de especialistas da Espanha, da França.

As atividades dessa manhã também devem contar com a participação dos prefeitos de Esteio, Gilmar Rinaldi, e de Guarulhos (SP), Sebastião Alves de Almeida.

 

Crédito da notícia: Ronaldo M. Botelho