Sem álcool, gasolina vai subir este ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 5 de janeiro de 2006 as 22:11, por: cdb

A gasolina poderá subir, ainda este ano, contrariando previsões do ministro das Minas e Energia, Silas Rondeau, se for aprovada a redução do porcentual de álcool anidro no combustível. A proposta, da forma como foi apresentada pelo governo, significará um aumento no preço ao consumidor. Segundo cálculos do diretor financeiro da União da Agroindústria Canavieira (Unica), Antônio de Pádua, o percentual de ajuste é baseado no cálculo do custo da gasolina A (pura), que na refinaria é de R$ 2,40 para um custo do álcool anidro de R$ 1,10 na média atual. Com o porcentual em vigor, de 25% de anidro, a gasolina C (misturada) custa sem impostos R$ 2,07. Se o porcentual passar para 20%, a gasolina C passa a custar R$ 2,14.

A idéia do governo ao reduzir o porcentual é poupar álcool anidro e transformá-lo em hidratado para atender ao mercado de carros flexfuel (bicombustíveis) que não têm mais vantagem de abastecer os veículos com álcool ao invés de gasolina, desde que o derivado vegetal sofreu consecutivos aumentos em 2005. Nesta quarta-feira, o governo anunciou que estuda medidas para reduzir o preço do álcool pressionado pela entressafra da cana-de-açúcar, que deve se estender até abril. Entre estas medidas, o governo ameaça reduzir a porcentagem de álcool à gasolina. Com isso, o governo pretende diminuir a demanda por álcool neste momento em que a oferta do produto é menor.

Queda na produção

Segundo Pádua, o aumento do álcool, em novembro do ano passado, significou uma produção menor do que estava sendo esperada para a região Centro-Sul. Apesar de aumentar de 13,3 bilhões de litros no ano de 2004 para 14,4 bilhões de litros em 2005, a produção era esperada em torno de 15 bilhões de litros.

– Seria o suficiente para atender o crescimento de consumo que esperávamos e que foi confirmado no decorrer do ano – acredita.