Selos musicais independentes ameaçam boicotar MTV Europe

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de março de 2004 as 12:54, por: cdb

Os fãs do The White Stripes e The Strokes podem não ver mais suas bandas favoritas no canal de música MTV Europe a partir de 1 de abril, já que as negociações entre gravadoras e emissora em torno de um novo acordo de licenciamento chegaram a um impasse.

Um grupo de selos musicais independentes europeus anunciou que vai dar uma entrevista coletiva à imprensa nesta quarta-feira para anunciar seus planos de boicotar a rede a partir do fim de março, quando termina o contrato atual, de quatro anos, que unia os selos à MTV.

Os selos independentes europeus, responsáveis por 22 por cento do mercado musical do continente, vinham negociando a extensão do contrato que têm com a MTV através do grupo negociador Video Performance Limited (VPL). O VPL representava centenas de artistas, entre eles também The Prodigy, Lemon Jelly e Feeder.

A MTV Networks Europe, propriedade do conglomerado de mídia norte-americano Viacom, possui um histórico de sucesso que é raro no setor musical, que anda em baixa.

A lucrativa operação européia da rede vem se ampliando rapidamente, na medida em que sua base de telespectadores já chega a mais de 115 milhões de residências em todo o continente. Nos últimos 30 anos, o canal de música foi visto como responsável por apresentar vários grupos e artistas novos ao público.

Uma fonte próxima às negociações disse que estas pararam quando a MTV Europe ofereceu pagar 840 mil libras por ano (1,55 milhão de dólares) no lugar da taxa anual atual, de 1,9 milhão de libras.

A rede também queria o direito de transmitir músicas através de celulares e da Internet, disse a fonte, embora, mais tarde, tenha desistido dessas duas idéias.

“Basicamente”, disse a fonte, “a MTV queria receber mais e pagar menos do que antes.”
O executivo operacional chefe da MTV Europe, Simon Guild, não quis comentar os termos da negociação interrompida.

Ele acrescentou: “Eles (a VPL) propuseram uma cifra pela qual queriam multiplicar a taxa de licenciamento por 2,5. Nós dissemos: ‘Se os preço vai ser tão alto assim, que tal se pagarmos menos’¿”

Guild disse que, desde que as negociações pararam, a rede já firmou contratos separados com 35 selos independentes. Mas ele se negou a revelar os nomes do selos ou dos artistas incluídos.

“Já desistimos por completo de tratar diretamente com a VPL”, disse Guild. “Estamos tentando fechar acordos diretamente com os selos. O problema é que alguns deles decidiram que não vão negociar conosco, por questão de princípio.”