Segurança do Haiti é questionada pelos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 27 de junho de 2003 as 03:28, por: cdb

Os Estados Unidos questionaram, nesta quinta-feira, na OEA a proposta do governo de Haiti sobre a criação de um clima de segurança nesse país, um compromisso assumido pelo presidente Jean-Bertrand Aristide perante a organização regional.

Esta foi a reação oficial norte-americana diante da renúncia, em 22 de junho, do recém-nomeado diretor da Polícia Nacional do Haiti, Jean-Robert Faveur, alegando interferências políticas.

Durante uma sessão do Conselho Permanente da organização continental, o representante dos Estados Unidos na OEA, Roger Noriega, assinalou que Washington está frustrado com a renúncia de Faveur, um fato que tachou de “muito sério e desanimador”.

Ele ressaltou que se o Governo de Porto Príncipe não pode garantir a segurança de Faveur e de sua família, que vão embora do Haiti por esse motivo, não vê como poderiam dar proteção a qualquer pessoa em seu país, em particular à oposição democrática.

– Os Estados Unidos pensam que uma liderança policial profissional, livre de interferências, é justamente um dos elementos essenciais para uma solução democrática da crise política do Haiti – declarou Noriega.

Ele disse ainda que os EUA se mantêm atentos à avaliação da situação haitiana que será feita em setembro pela Missão Especial da Organização de Estados Americanos (OEA) para a democratização do país antilhano.

Noriega lembrou que o secretário de Estado americano, Colin Powell, convidou os 34 países da OEA a considerarem o papel desta entidade se o Haiti não criar até setembro “um clima de segurança que conduza à criação de um confiável, neutro e indispensável Conselho Eleitoral Provisório”.

O representante advertiu que “à luz dos recentes acontecimentos”, os EUA consultarão os demais países da OEA sobre seu ponto de vista acerca do próximo passo que a organização deve dar para poder superar a situação haitiana.