Segurança amarrado a uma bomba é obrigado a ajudar assaltantes de banco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 13 de outubro de 2003 as 02:16, por: cdb

A cena parece de filme, mas aconteceu na Zona Oeste de São Paulo. O segurança de uma agência da Caixa Econômica Federal, na Avenida Professor Francisco Morato, Josélio Gonçalves Silva, tinha acabado de descer do ônibus para ir ao trabalho, quando foi rendido por dois homens armados.

Ele foi colocado dentro de uma Kombi, onde estavam outros dois homens. No veículo, o grupo amarrou uma bomba no segurança e disse que se ele não abrisse a agência para a entrada dos assaltantes, o artefato seria detonado à distância.
 
Logo em seguida, Josélio foi liberado perto da agência. Ele contou aos policiais que com medo das ameaças, rendeu o colega do turno anterior, e abriu as portas da agência. Minutos depois o grupo chegou. Os assaltantes ficaram aproximadamente quatro horas dentro da agência, abrindo os cofres com tranqüilidade e escolhendo o que iriam roubar.

Após o roubo, os assaltantes saíram, mas deixaram a bomba no segurança. O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Polícia Militar foi chamada e conseguiu retirar a bomba. O Gate comprovou que, apesar de artesanal, a bomba poderia sim ser acionada à distância.

O segurança passa bem. Pelo fato de Josélio ter sido rendido quando desceu do ônibus, a polícia tem certeza que a ação foi planejada e que o grupo já tinha visitado a agência anteriormente.