Sede Zero em Acauã

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de junho de 2003 as 09:35, por: cdb

O Sede Zero é um dos cinco Projetos estratégicos do Programa Permanente de Convivência com o Semi-Árido (PPCSA), vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural. Pretende-se, com ele, resolver o grave problema de água nesta região.

Junto com os demais Projetos – Educação; Produção e Renda; Saúde, Segurança Alimentar e Nutricional; e Ciência e Tecnologia – pensados para o contexto que o PPCSA pretende desenvolver, o Sede Zero começa a ser implantado em Acauã (PI).

O semi-árido corresponde a 50,2% do território piauiense, abrangendo 122 municípios, e o Projeto está sendo implementado em parceria com o Fórum Piauiense de Convivência com o Semi-Árido. A unidade gestora do projeto é a Cáritas.

Alfabetização gera 3 mil empregos

O curso de capacitação da primeira turma de alfabetizadores de adultos, no Piauí, começou na semana passada. Eles vão atuar no projeto que envolve os governos Federal e Estadual, uma ONG e igrejas. A meta é alfabetizar 31 mil pessoas em 40 municípios.

Para a realização do projeto, o ministério da Educação e Cultura ficou responsável pela remuneração dos alfabetizadores e seus capacitadores, a secretaria de Educação vai entrar com as cartilhas e o material didático, e as igrejas se encarregaram da operacionalização da proposta. A capacitação do pessoal ficou a cargo da Alfalit, ONG que há 40 anos atua nessa área.

Uma das exigências para quem se candidata a trabalhar no projeto é que não tenha vínculo empregatício com o Estado ou com qualquer outra instituição. O objetivo é incluir quem está sem emprego.
– Nessa primeira etapa, nós vamos precisar de, no mínimo, três mil alfabetizadores. Até agora já temos, aproximadamente, dois mil inscritos, diz Aléxis Leite, gerente de Alfabetização de Jovens e Adultos do Governo do Estado.

Os alfabetizadores vão receber R$ 15 por aluno, sendo que as turmas devem ter uma média de 15 a 25 estudantes. A Secretaria de Educação também fará a supervisão do projeto, que é destinado a pessoas acima de 15 anos de idade.

Fome x Desenvolvimento

– A fome e a desnutrição impedem o desenvolvimento econômico não só das pessoas e das famílias afetadas, mas da nação por inteira – disse o diretor-geral do Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Jacques Diouf. Segundo ele, o Fundo possui estudos, realizados em países asiáticos, onde fica demonstrado que o efeito combinado de atraso do crescimento e carências de iodo e ferro, reduzem o Produto Nacional Bruto em questão de 2 a 4 por cento ao ano.

Os comentários de Diouf foram feitos na abertura da Conferência Internacional sobre Direito à Alimentação e o Custo da Fome, em Roma.
Na ocasião, o Fome Zero foi elogiado pelo diretor-geral da FAO. Ele considerou que “o exemplo do Brasil inspirará outros países a reforçarem seu compromisso de luta contra a fome”.

Prêmio internacional

O Instituto Nacional da Alimentação, do México, concedeu ao governo brasileiro o Prêmio Internacional de Alimentação Enrique Díaz Ballesteros, de 2003. A escolha se baseou, segundo o presidente do Instituto, Jose Enrique Gama Muñoz, no reconhecimento do “programa governamental de alimentação do presidente Lula da Silva, como o mais destacado que está sendo conduzido em nível mundial”.

O Plano Safra e o Fome Zero

O Plano Safra para a Agricultura Familiar 2003/2004 lançado na terça-feira passada, é uma das ações de caráter estrutural do Fome Zero. A partir de julho, R$ 5,4 bilhões serão disponibilizados para os trabalhadores rurais, gerando novas oportunidades para o desenvolvimento e ampliação da Agricultura Familiar.

Além de viabilizar recursos, o Plano – uma parceria do ministério Extraordinário de Segurança Alimentar e ministério de Desenvolvimento Agrário – se preocupa em criar condições para que o dinheiro chegue ao produtor. Serão renegociadas dívidas dos agricultores e dos assentados da Reforma Agrária, num total de R$ 2,45 bilhões.