Secretário se demite do Ministério da Justiça

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de outubro de 2003 as 21:51, por: cdb

Secretário Nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares pediu demissão do cargo nesta terça-feira. Nota distribuída pelo ministério no início da noite alega que  a exoneração teve motivos pessoais. Segundo assessores do ministério, Luiz Eduardo sentiu-se desconfortável  com notícias sobre a contratação da ex-mulher, Bárbara Musumeci Soares, como consultora, em convênio entre a ONU e a secretaria. Um outro contrato, com a atual mulher, Míriam Guindani, foi cancelado pelo ex-secretário para evitar especulações.

Luiz Eduardo alegou não haver irregularidade no  contrato acertado com a ex-mulher. Após conversa com o ministro Thomaz Bastos, o secretário voltou ao ministério, no início da tarde,  com o pedido de demissão.

– Não quero servir de instrumento para ataques ao governo Lula,  fonte de nossa esperança. Ao governo Lula  dediquei o melhor de minhas energias nesses quase 11 meses de trabalho. Para defender o governo e nossa política de segurança, agora me afasto – escreveu Luiz Eduardo.

No texto de despedida, o ex-secretário defende a importância dos vários projetos em andamento, como a criação da Escola Superior de Segurança Pública, em conjunto com a Unicamp, o sistema computadorizado de geoprocessamento de dados criminais. .

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, aceitou o pedido de demissão do secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares. Em carta encaminhada ao ministro, Soares afirma que se afasta do cargo para defender o governo e a política de segurança.

“Peço exoneração do cargo de secretário nacional de Segurança Pública com angústia e convicção. Angústia por não poder completar, pessoalmente, tantas ações que estão em curso, às vésperas de conclusão. Convicção para reconhecer que é meu dever é preservar o governo Lula, ao qual servi com orgulho e cuja construção custou décadas de luta à sociedade brasileira. Jamais cometi, como gestor público, qualquer ato ilegal ou antiético. Apesar disso, a sordidez das manipulações políticas poderia macular nomes honrados e atingir a dignidade do próprio governo. Se fosse apenas eu o alvo dos ataques, não me faltaria disposição de luta. Mas não era esse o caso. Não quero servir de instrumento para ataques ao governo Lula, nosso governo, fonte de nossa esperança”, diz Soares, em um trecho da carta.

Em carta a Soares, o ministro da Justiça agradeceu o trabalho e a contribuição deste à equipe para implementação da política nacional de segurança pública. Márcio Thomaz Bastos
despede-se do amigo com “um forte abraço” e ressalta: “Seu trabalho à frente da Secrertaria Nacional de Segurança Pública trouxe importante contribuição à causa da construção de um Brasil seguro, com a implantação do Sistema Único de Segurança Pública, peça basilar do Plano Nacional de Segurança do presidente, feito pelo Instituto de Cidadania, também com uma importante contribuição sua”. .

Segundo o Ministério da Justiça, devido à importãncia estratégica da área, o próprio ministro Márcio Thomaz Bastos vai assumir interinamente a secretaria até a nomeação do novo titular.