Secretário indica que Argentina sairá do câmbio fixo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de dezembro de 2001 as 01:50, por: cdb

O secretário do Ministério da Economia argentino, Rodolfo Frigeri, disse que a nova moeda do país – o “argentino” – marca o começo de uma “saída ordenada” do regime de câmbio fixo do país. Em uma entrevista ao jornal argentino Clarín, Frigeri também afirmou que os saques nos bancos só poderão ser feitos na nova moeda. Ainda segundo o novo secretário, para efeito das retiradas, os “argentinos” valerão o mesmo que um peso, ou seja, um dólar.

O principal responsável pela economia argentina no momento acrescentou ainda que, “o mais breve possível”, os argentinos terão acesso a 100% do valor que têm em suas contas. “Para garantir essas medidas, precisamos de um pouco mais de tempo”, ponderou Frigeri. Por isso, ele decidiu estender o feriado bancário que vigora na Argentina até a semana que vem.

Segundo Frigeri, a função da nova moeda ainda não foi totalmente definida. “Estamos estudando isso em detalhes, mas nossa intenção é que ela seja uma moeda a mais, como o peso e o dólar”. O secretário disse ainda que um “argentino” valerá o mesmo que um peso e um dólar, ao menos inicialmente.

“Está claro que o “argentino” não será conversível (não poderá ser trocado pelas outras moedas) e não descartamos a possibilidade de que, com o tempo, ele possa se depreciar”, acrescentou. Segundo Frigeri, a nova moeda deverá começar a circular em janeiro, desde que se solucionem os problemas de impressão. “Faremos emissões paulatinas. Não haverá, como temem alguns, uma enxurrada da nova moeda. Seremos muito prudentes em todo o processo.”