Secretário de Estado dos EUA reforça relação transatlântica em Bruxelas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de novembro de 2003 as 04:43, por: cdb

O secretário americano de Estado, Colin Powell, partiu de Washington na noite da última segunda-feira rumo a Bruxelas, onde nesta terça-feira, se reunirá com seus homólogos europeus para reforçar a relação transatlântica e aparar as divergências sobre o Iraque.

Além do tema iraquiano, Powell conversará sobre comércio, defesa e combate ao terrorismo, segundo altos funcionários americanos.

Nas últimas semanas, ficaram evidentes as diferenças de enfoque entre Estados Unidos e UE em relação a vários projetos europeus sobre defesa comum -que Washington vê como uma ameaça à Aliança Atlântica (Otan)- e o tema nuclear iraniano, além da disputa comercial envolvendo as medidas protecionistas dos EUA contra o aço europeu.

Powell conversará com o ministro italiano das Relações Exteriores, Franco Frattini, cujo país exerce atualmente a presidência da UE, o Alto Representante da União Européia para Política Externa, Javier Solana, e o comissário europeu para as Relações Exteriores, Chris Patten.

Segundo o porta-voz adjunto do departamento de Estado, Adam Ereli, estas entrevistas permitirão analisar os esforços para a estabilização do Iraque e do Afeganistão, a luta contra o terrorismo, o conflito no Oriente Médio, a situação nos Balcãs e a proliferação nuclear.

A poucos meses da ampliação da UE, que passará de 15 para 25 países membros, Washington estima essencial que Powell possa reafirmar a importância da cooperação entre Estados Unidos e Europa.

Durante um almoço de trabalho com seus 25 homólogos europeus, Powell fará referência ‘aos princípios da cooperação EUA/UE no contexto de uma União Européia ampliada’, disse Ereli.

O secretário americano deve se encontrar ainda com o chanceler belga, Louis Michel, para ‘descongelar’ as ‘difíceis’ relações entre Estados Unidos e Bélgica desde a adoção da lei de ‘jurisdição universal’, que permitia originalmente à Justiça belga julgar os crimes contra a humanidade, independentemente da nacionalidade do acusado e do local onde foi cometido o crime.

Powell e o ex-presidente George Bush foram objeto de ações judiciais na Bélgica, onde o Parlamento modificou a polêmica lei, em agosto passado, estipulando que os demandantes devem ter nacionalidade belga.

Após sua viagem a Bruxelas, Powell irá a Londres, onde se encontrará com o presidente George W. Bush, que esta semana visita a Grã-Bretanha.