Secretário de Direitos Humanos visita acampamento guarani

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de dezembro de 2005 as 20:16, por: cdb

Secretário especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi chega nesta terça-feira ao acampamento indígena Guarani-Kaiowá – na margem da rodovia que liga os municípios de Antônio João e Bela Vista, no Mato Grosso do Sul. No último sábado, o índio Dorvalino Rocha, um dos acampados, foi assassinado em Antônio João.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Especial de Direitos Humanos, a visita demonstra a preocupação do governo federal com a questão. O objetivo, segundo a assessoria, é assegurar que outros atos de violência não ocorram no local. Deve haver ainda reforço da Polícia Federal nas investigações.

No último dia 15, após decisão judicial que suspendeu a demarcação das terras Nhande Ru Marangatu, os índios guarani-kaiowá foram despejados pela Polícia Federal no Mato Grosso do Sul. Cerca de 730 índios – incluindo aproximadamente 300 crianças – ficaram à beira da estrada. A desocupação ocorreu de forma pacífica. Mas, enquanto os índios retiravam os seus pertences do local, fazendeiros atearam fogo nas casas. O Ministério Público abriu inquérito para averiguar a possível omissão da polícia.

Além de Vannuchi, vão ao Mato Grosso do Sul o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Mércio Pereira Gomes, e dois delegados da Polícia Federal representando o diretor-geral da instituição, Paulo Lacerda. A presença de um integrante do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) ainda deve ser confirmada.

Neste domingo, a Funai antecipou uma série de providências que começaria a tomar a partir desta segunda no município de Antônio João (MS) por conta do assassinato de Dorvalino. Entre as medidas tomadas está a instalação de uma base da Funai no acampamento dos índios a margem da rodovia que liga os municípios sul-matogrossenses de Antônio João e Bela Vista.