Secretaria da Saúde realiza atividades alusivas ao Dia Mundial de Combate à Tuberculose

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2012 as 07:22, por: cdb

A Prefeitura de Caxias do Sul, por meio da Secretaria da Saúde – Serviço Municipal de Infectologia, realiza de 26 a 30 de março, das 8h às 17h, as atividades alusivas ao Dia Mundial de Combate à Tuberculose. Quem passar pelas 44 Unidades Básicas de Saúde receberá orientações e informações sobre a doença. O objetivo é ressaltar a importância do diagnóstico precoce.

Segundo o médico pneumologista do Centro Especializado de Saúde (CES), Marcelo Mensch, a prevenção é a única maneira de evitar a tuberculose. ‘Os sintomas da doença podem ser confundidos com uma gripe comum. Por isso,  a população precisa ficar atenta aos sintomas, tais como tosse seca e contínua por mais de duas semanas, cansaço excessivo, palidez, falta de apetite, rouquidão, entre outros,’ salienta.

Dados do Ministério da Saúde revelam que a Tuberculose ainda apresenta alta incidência no Rio Grande do Sul, com cerca de 6.460 casos notificados no ano passado. Em Caxias do Sul, 1.200 pessoas procuraram atendimento em 2011, sendo que 151 realizaram o tratamento.

O Laboratório de Infectologia de Caxias do Sul oferece atendimento especializado para portadores da doença. Localizado na Rua Sinimbu, nº 2231 junto ao CES, o serviço realiza o tratamento gratuitamente para os 48 municípios de abrangência da 5ª Coordenadoria Regional de Saúde. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h.

Conheça a Tuberculose:

Doença infecto-contagiosa causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode ocorrer em outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).

Sintomas:

Alguns pacientes não exibem nenhum indício da doença, outros apresentam sintomas aparentemente simples que são ignorados durante alguns anos (meses). Contudo, na maioria dos infectados, os sinais e sintomas mais frequentemente descritos são tosse seca contínua no início, depois com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformando-se, na maioria das vezes, em uma tosse com pus ou sangue; cansaço excessivo; febre baixa geralmente à tarde; sudorese noturna; falta de apetite; palidez; emagrecimento acentuado; rouquidão; fraqueza; e prostração. Os casos graves apresentam dificuldade na respiração; eliminação de grande quantidade de sangue, colapso do pulmão e acumulo de pus na pleura (membrana que reveste o pulmão) – se houver comprometimento dessa membrana, pode ocorrer dor torácica.

Transmissão:

A transmissão é direta, de pessoa a pessoa. O doente expele, ao falar, espirrar ou tossir, pequenas gotas de saliva que contêm o agente infeccioso e podem ser aspiradas por outro indivíduo contaminando-o. Somente 5% a 10% dos infectados pelo Bacilo de Koch adquirem a doença. Pessoas com Aids, diabetes, insuficiência renal crônica (IRA), desnutridas, idosos doentes, alcoólatras, viciados em drogas e fumantes são mais propensos a contrair a tuberculose.

Tratamento:

O tratamento deve ser feito por um período mínimo de seis meses, sem interrupção, diariamente. Quase todos os pacientes que seguem o tratamento corretamente são curados.

Prevenção:

Para prevenir a doença é necessário imunizar as crianças de até 4 anos, obrigatoriamente as menores de 1 ano, com a vacina BCG. Crianças soropositivas ou recém-nascidas que apresentam sinais ou sintomas de Aids não devem receber a vacina. A prevenção inclui evitar aglomerações, especialmente em ambientes fechados, mal ventilados e sem iluminação solar. A tuberculose não se transmite por fômites e pelo uso de objetos compartilhados.
 
Assessoria de Imprensa – SMS