Saúde estima que cinco milhões têm hepatite

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 26 de outubro de 2003 as 16:05, por: cdb

Existem hoje, no Brasil, cinco milhões de pessoas com hepatites B e C, segundo o Ministério da Saúde. Um dos principais problemas é que a maioria nem imagina que está com a doença, muitas vezes difícil de ser detectada, apesar de apresentar sintomas evidentes, como pele amarela, urina escura e fezes brancas.

Quando a hepatite é “silenciosa” e diagnosticada tardiamente, o fígado já está comprometido, o que dificulta a recuperação, podendo levar o paciente à morte. Os números foram divulgados esta semana pelo Ministério da Saúde, que iniciou em 2002 uma campanha pela vacinação de pessoas pertencentes aos chamados “grupos de risco” da doença.

Para o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Expedito Luna, o número de portadores crônicos de hepatite B, no Brasil, chega a dois milhões de pessoas, e a três milhões o de de hepatite C. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima em dois bilhões o número de pessoas infectadas com hepatite B, no mundo, sendo que 325 milhões são casos crônicos.

A prevenção da hepatite B é feita com aplicação de três doses da vacina: a primeira, ao nascer, e, a segunda, quando o bebê está com um mês de vida. Já a terceira, é dada aos seis meses. A vacina também é oferecida, na rede do Sistema ùnico de Saúde (SUS), para crianças e jovens com idade de 1 a 19 anos e, ainda, para pessoas acima dessa faixa etária pertencentes a grupos de risco.

Fazem parte desse grupo, pessoas com imunodeprimidas, os profissionais da área de saúde, profissionais do sexo e as que compartilham agulhas e seringas no uso de drogas injetáveis.

Já para a hepatite C não existe a vacina, mas a Secretaria de Vigilância Sanitária alerta as pessoas que realizaram transfusões de sangue antes de 1993 para a necessidade de fazer o exame de sangue que identifica a doença.