Santos perde mas está na final

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de dezembro de 2002 as 23:59, por: cdb

O Grêmio fez 1 x 0 no Santos, na noite dessa quarta-feira, em Porto Alegre, mas quem ficou com a vaga para a final do Campeonato Brasileiro foi o time paulista, que vencera o primeiro jogo – no último domingo – por 3 x 0 em São Paulo e fará a decisão contra o Corinthians. O consolo para o clube gaúcho está no fato de que disputará a Libertadores da América de 2003, por ter ficado em 3º lugar na competição.

Uma torcida numerosa e enlouquecida começou o jogo tentando empurrar o Grêmio para cima do Santos, afinal só uma vitória por diferença de três gols seria suficiente para levar o time gaúcho para as finais do Brasileirão. Mas o Santos, mesmo que um time repleto de jogadores jovens, mostrava maturidade naqueles minutos iniciais e encaminhava os seus contra-ataques.

Tanto que, nos primeiros 10min, os lances mais perigosos foram duas faltas a favor da equipe paulista, uma cobrada por Elano, a 1min, e outra aos 7, através de André Luís. Nas duas oportunidades a bola passou próxima à trave direita de Danrlei.

O Grêmio tinha maior domínio de bola, mas faltava objetividade. Era um time de muita garra, muita força, mas sem maior qualidade técnica. O zagueiro Adriano era o mais agressivo dos jogadores do Tricolor. Aos 23min ele deu um tapa no rosto de Robinho, que o árbitro relevou. Um minuto depois fez falta violenta em Diego e recebeu o cartão amarelo.

Os jogadores santistas não reclamavam da violência. Administravam o jogo e já faziam prever uma expulsão no time adversário.

Ao final do primeiro tempo, prevendo a desclassificação, os torcedores gremistas começaram a reclamar e a pedir a presença, em campo, do jovem centroavante César, vendo aí uma possibilidade de o time melhorar sua produção ofensiva. Rodrigo Mendes, vaiado, era a vítima da hora.

Dois lances movimentaram os minutos finais do primeiro tempo. Pelo Santos, Léo fez espetacular jogada, invadiu a área e atrasou para Elano, que da pequena área chutou por cima da trave. Chance clara. O Grêmio, por sua vez, reclamou de um pênalti de Alex sobre Rodrigo Fabri.

“É brincadeira. Eu recebi um pontapé dentro da área. É pênalti”, resmungou o gremista Fabri, enquanto o árbitro Antônio Pereira da Silva entrava para o vestiário, sob vaias intensas.

Os dois times vieram com os mesmos jogadores para o segundo tempo e o técnico Leão, do Santos, antes que a bola começasse a rolar outra vez, declarou: “Vamos jogar com atenção redobrada”.

No primeiro minuto do segundo tempo Fabri finalmente acertou um chute na meta santista, mas o goleiro Fábio Costa fez boa defesa. Era uma sinal de que o time gaúcho partiria para cima, no desespero, para tentar a improvável classificação.

O Santos, mais do que nunca, se limitava aos contra-ataques, vendo cada vez mais perto a vaga na decisão. Num deles, Robinho invadiu a área sozinho e faria o gol mas, equivocadamente, a arbitragem marcou impedimento.

Aos 12min, para tornar ainda mais difíceis as coisas para o Grêmio, o árbitro expulsou o zagueiro Samuel por falta violenta em Renato, decisão que fez o técnico Tite tirar o centroavante Luis Mário e colocar Émerson em seu lugar, para recompor o sistema defensivo.

As chances da equipe gaúcha se esvaiam e o Santos, agora com um jogador a mais, tomava conta do jogo e passava a rondar a área gremista. Leão aproveitou o momento, a quase certeza da classificação, e tirou de campo Robinho – visado pela violência gremista – e colocou em campo Robert.

O Grêmio já nem se arriscava tanto. O fato de que os resultados combinados – em Porto Alegre e em São Paulo – o levavam à Libertadores da América, faziam o time avançar com cautela rumo ao primeiro gol. Ainda assim ele veio, aos 23min, num cruzamento de Rodrigo Mendes, aproveitado por Fabri.

O gol agitou ainda mais a torcida gremista, que embora presenciasse a desclassificação do Brasileiro, sentia que ao menos a classificação à Libertadores estava sendo garantida.

A expulsão de Maurinho, aos 28min do segundo tempo, deixando