Santos comemora conquista do título até a madrugada

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 16 de dezembro de 2002 as 15:58, por: cdb

A cidade de Santos parou para receber os heróis da conquista do Campeonato Brasileiro de 2002. Fogos de artifício, muita buzina, uma enorme bandeira e incansáveis gritos de “é campeão” foram o modo que os torcedores santistas encontraram para comemorar e homenagear os atletas.

Ao vencer o Corinthians por 3 x 2 no domingo, o Santos obteve uma conquista inédita e quebrou um jejum de 18 anos sem títulos importantes.

Carlos Alberto Souza nasceu em 1984, ano em que a equipe do litoral paulista tinha vencido pela última vez um torneio significativo, o Campeonato Paulista, em cima do próprio Corinthians.

“Vi meu time ser campeão pela primeira vez, e foi especial por ter sido contra o Corinthians”, disse o estudante, um dos milhares de torcedores que lotaram a praça Independência, tradicional ponto de comemorações da cidade, para receber os jogadores campeões.

Robinho, Diego e companhia saíram do estádio do Morumbi após muita celebração no campo e nos vestiários e foram direto para a Vila Belmiro. Ainda na estrada e na entrada da cidade, uma amostra do que vinha pela frente: fogos, carreata barulhenta e saudações emocionadas.

Do estádio, os atletas subiram em um carro de bombeiros e seguiram até a praça Independência, onde chegaram após a meia-noite. Lá, mais fogos, buzina, agitação de bandeiras e gritos de ordem, repetidos pelos jogadores, a maioria deles sem camisa e com a faixa de campeão no peito.

“Só vi a praça assim quando o Brasil ganhou a Copa e em carnavais”, comentou Arani Bueno, de 45 anos.

De crianças a idosos, o local estava tomado pela alegria dos torcedores, que estenderam uma enorme bandeira do clube perto do monumento da Independência.

Felipe Cincinato, de 11 anos, gostou da sensação e já não vê a hora de o Santos ganhar outro título, enquanto Humberto Martins, 72, lembrou do período de glórias do Santos com Pelé.

“Já vi o Santos ser campeão diversas vezes. Foi uma emoção muito grande ter conquistado desta vez, fico feliz pela cidade”, disse.

“Esse time devolve ao Santos a grandeza da época de Pelé, pela força, pela garra e o futebol ofensivo”, completou.

Apesar das várias gerações de santistas, o sentimento era o mesmo. “Foi a coisa mais emocionante que eu passei na vida. Foi demais para o meu coração”, afirmou Luiz Antonio Barros, 48, que como muitos, destacou o atacante Robinho no time santista.

“Hoje eu senti que baixou o espírito de Pelé no Robinho. Quando ele viu o Diego (que deixou o gramado no início do jogo, machucado) fora, ele assumiu”, comentou ele sobre o jovem de 18 anos, autor do primeiro gol e que participou dos outros dois na vitória de domingo.

A merecida festa do Santos prosseguiu até a madrugada nas principais ruas da cidade.