Sal grosso do Chile e tubo de aço-carbono da China serão sobretaxados para proteger mercado interno

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 6 de setembro de 2011 as 17:20, por: cdb

Luciene Cruz
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Câmara de Comércio Exterior (Camex) aumentou de 79 para 81 a quantidade de medidas aplicadas de antidumping. Na reunião de hoje (6), foram incluídos o direito definitivo sobre as importações brasileiras de sal grosso provenientes do Chile e sobre tubos de aço-carbono exportados pela China.

No caso do sal grosso, o direito de aplicação vale para os produtos destinados ao consumo humano, incluindo a utilização na fabricação de produtos intermediários ou finais, como cloro líquido, carbonato de sódio, soda cáustica, entre outros. Já a importação brasileira de tubos de aço-carbono destina-se ao uso em oleodutos e gasodutos.

Para os dois produtos, a medida tem vigência de cinco anos. No primeiro caso, a aplicação será feita por meio de sobretaxa de 35,4% sobre o valor aduaneiro da mercadoria. No segundo produto especificado, a alíquota será recolhida de forma fixa, no valor de US$ 743 por tonelada.

A prática de dumping consiste em vender produtos com preços abaixo do preço normalmente em vigor no país destino das mercadorias, o que gera uma concorrência desleal com os comerciantes locais que fabricam produtos semelhantes. A aplicação da medida de antidumping relativa aos novos produtos entra em vigor com a publicação da resolução da Camex, no Diário Oficial da União, o que deve ocorrer nos próximos dias.

Segundo a secretária de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Tatiana Prazeres, o Brasil é o país que mais tem aplicação de medidas antidumping. Outros 40 processos estão em investigação e mais 30 novas petições estão sob pré-abertura inicial.

Edição: Lana Cristina