Sai do hospital cubana que chegou aos EUA de balsa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de abril de 2004 as 00:32, por: cdb

Uma cubana que conseguiu chegar na costa da Flórida em uma balsa feita de pneus, junto com outras duas pessoas, deixou, na última terça-feira, o hospital onde esteve internada durante 13 dias.

Milena González Martínez, de 37 anos e única mulher na travessia, saiu do hospital Holy Cross, em Fort Lauderdale, ao norte de Miami, e foi levada a um centro de imigração, onde será submetida aos procedimentos regulares para este tipo de caso.

González Martínez conseguiu sobreviver a uma travessia de oito dias em uma balsa construída com pneus, enfrentando ondas de mais de dois metros de altura, fortes ventos e chuvas.

Durante a travessia, a balsa virou, o que fez com que perdessem suas provisões de água e comida. Para sobreviver, eles foram obrigados a beber sua própria urina.

Na viagem, quatro pessoas morreram e outra desapareceu, incluindo o marido de Martínez, segundo suas próprias declarações.

Ela estava muito fraca para nadar até a margem, como os outros dois balseiros, e por isso teve que ser resgatada por uma mergulhadora da Guarda Costeira, sendo levada posteriormente à terra para que fosse internada para um hospital.

Apesar de ela não ter pisado em terra, pôde acolher-se às leis migratórias dos EUA aplicáveis aos cubanos.

Segundo os convênios estabelecidos entre Havana e Washington, os cubanos que são interceptados no mar, mesmo a poucos metros da margem, devem ser repatriados.

No entanto, de acordo com as leis dos Estados Unidos, aqueles que conseguirem pisar em terra firme podem permanecer neste país e, depois de um ano, obter a residência, como é o caso de González Martínez.