Saddam rejeita ultimato e diz que EUA sofrerão grandes perdas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de março de 2003 as 11:28, por: cdb

O presidente do Iraque, Saddam Hussein, rejeitou oficialmente, nesta terça-feira, o ultimato dado pelos Estados Unidos e garantiu: não apenas continuará em seu país como imporá grandes perdas aos norte-americanos em caso de guerra.

A televisão oficial do Iraque divulgou imagens de uma reunião entre Saddam, vestido com uniforme militar, e seus principais assessores.
“A reunião ressaltou que o Iraque e seus filhos estão plenamente prontos para confrontar os agressores invasores e expulsá-los”, disse o apresentador, lendo um comunicado divulgado após a reunião de gabinete.

“O Iraque não escolhe seu caminho por ordem de um estrangeiro e não escolhe seus líderes de acordo com os decretos de Washington, Londres ou Tel Aviv, mas por meio da vontade do grande povo iraquiano”, concluiu.

O filho mais velho de Saddam, Uday Hussein, também foi à televisão para responder, em termos duros, ao ultimato do presidente norte-americano, George W. Bush, que, na segunda-feira à noite, deu ao líder iraquiano um prazo de 48 horas para abandonar ou país ou enfrentar a guerra.

Uday jurou que os Estados Unidos lamentarão profundamente se atacarem o Iraque.

Se na frente de combate a guerra ainda é uma expectativa, Washington continuou a disparar torpedos no campo da batalha psicológica.

Um alto funcionário da Casa Branca revelou que transmissões de rádios militares do Iraque, interceptadas pelos norte-americanos, mostraram que diversos batalhões de Saddam Hussein pretendem debandar se a guerra começar.

Paralelamente, ainda em busca de uma solução pacífica, o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, deverá desembarcar nesta terça-feira em Bagdad.

“Este é um dia muito grave”, comentou um embaixador da Liga Árabe, ouvido pela CNN. “Este é o dia em que a lei internacional foi enterrada. A guerra não resolverá este problema”.

“Infelizmente, quem entrar em guerra acabará descobrindo que é muito difícil sair dela”, concluiu.