Saddam Hussein é condenado à morte

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 5 de novembro de 2006 as 10:38, por: cdb

O ex-presidente iraquiano, Saddam Hussein, foi condenado à morte por enforcamento por um tribunal em Bagdá por crimes contra a humanidade. Saddam e outros sete réus estavam em julgamento pelo assassinato de 148 moradores do vilarejo de Dujail, de maioria xiita.

Barzan Ibrahim al-Tikriti, meio-irmão de Saddam, e um ex-juiz que serviu durante o regime, Awad Hamed al-Bander, também foram condenados à morte.

O ex-vice-presidente do Iraque, Taha Yassin Ramadan, foi condenado à prisão perpétua e três outros integrantes do partido Baath foram condenados a 15 anos de prisão.

Um outro integrante do partido, Mohammed Azawi Ali, foi absolvido por falta de provas.

Quando foi chamado para entrar na sala do tribunal, Saddam vestia um terno escuro e uma camisa branca e carregava uma cópia do Alcorão.

O juiz Rauf Abdel Rahman mandou que Saddam se levantasse para ouvir o veredicto, mas o ex-presidente iraquiano se recusou e teve de ser levantado por funcionários do tribunal.

Quando o juiz começou a ler a sentença, Saddam gritou “Deus é grande!”, “Viva o Iraque! Viva o povo iraquiano!” e “Abaixo os traidores!”.

‘Sorriso’

Saddam aparentava estar chocado e bravo e continuou a gritar, acusando o tribunal, o juiz e as forças de ocupação americanas no Iraque.

Mas o editor da BBC para assuntos internacionais, John Simpson, disse que, ao deixar a sala do tribunal, Saddam parecia ter um leve sorriso nos lábios.

– Era como se ele estivesse pensando ‘Eu vim aqui e fiz o que eu pretendia fazer – afirmou Simpson.

Logo depois que o veredicto foi entregue, tiros de comemoração foram ouvidos em Bagdá.

No distrito xiita Cidade de Sadr houve celebrações nas ruas, com pessoas em carros, buzinando. Também houve cenas de comemoração na cidade de Najaf.

Em Bagdá, as comemorações desafiaram o toque de recolher de 12 horas que havia sido imposto, proibindo pedestres e veículos de circularam.

Cidade natal

Logo depois que a sentença foi lida, houve relatos de episódios violentos no distrito sunita de Azamiya, em Bagdá, com tiros de metralhadora e morteiros sendo disparados.

Apesar de o toque de recolher na cidade natal de Saddam, Tikrit, milhares de pessoas expressaram seu apoio a Saddam Hussein.

Eles marcharam pela cidde gritando “Nós te vingaremos, Saddam”.

Quase três anos desde que Saddam Hussein foi capturado, a violência sectária tem levado o Iraque à beira da guerra civil.

O correspondente da BBC em Bagdá, Andrew North, disse que poucos iraquianos acreditam, no entanto, a sentença de Saddam irá ajudar a reduzir a violência, mesmo os que querem ver o ex-líder morto.

‘Justiça de vitorioso’

Saddam Hussein e os outros acusados têm direito a apelar da decisão, mas acredita-se que o processo deve levar apenas algumas semanas e terminar com derrota para os acusados.

Mas muitos críticos afirmam que o julgamento de Saddam representou uma forma de ‘justiça dos vitoriosos’, uma vez que os Estados Unidos acompanharam o processo de perto.

Antes de a sessão terminar, o ex-procurador-geral dos Estados Unidos, Ramsey Clark, foi retirado do tribunal depois de entregar um recado ao juiz no qual chamava o julgamento uma “farsa”.

Advogados de Saddam Hussein acusaram o governo de interferir com os procedimentos – uma reclamação que teve o apoio do grupo de direitos humanos Human Rights Watch.

Os advogados também criticaram o momento em que