‘Sacolinhas’ nas emissoras de TV se transformam em polêmica durante debate

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de outubro de 2001 as 15:43, por: cdb

Tudo corria bem no debate entre Boris Casoy – Editor Chefe do Jornal da Record e Amauri Soares – Diretor-Executivo da Central Globo de Jornalismo, nesta quinta-feira, durante o 1º Encontro Internacional de Televisão, em curso no Rio, até o momento em que Amauri afirmou que a Rede Globo era a única a viver, apenas, do lucro de sua publicidade. Foi o bastante para Boris não se conter:

– Como assim, só a globo? Não sei onde isso está escrito – reclamou Casoy, sem titubear.

Amauri, que não quis ficar por baixo, lembrou da grande “contribuição” que o “setor evangélico” faz para a Record.

– Amauri, se a Globo não usa esse tipo de sacolinha, existem várias outras por lá – finalizou Boris Casoy.

O 1º Encontro Internacional de Televisão tem como objetivo principal resgatar debate e, assim, opiniões. O evento, com importantes estudiosos e realizadores de televisão, do Brasil e do mundo, com o propósito de estabelecer uma criteriosa avaliação, não apenas dos efeitos da televisão sobre sua audiência, mas sobretudo de suas potencialidades criativas.

A televisão é o principal meio de informação e entretenimento – ficando em segundo lugar a Internet – da população do Brasil. A cada noite, mais de 80 milões de brasileiros estão regularmente assistindo
à televisão. A receita total desta atividade supera os 7 bilhões de dólares anuais, bem mais do que todos os outros meios juntos.

Apesar de ser o meio mais poderoso e influente do Brasil, a televisão é o menos discutido pela sociedade brasileira. Quando tal discussão se esboça, ela tende a cair no reducionismo que emerge da desinformação, no ataque indiscriminado ao conteúdo de programas populares, na confusão entre o papel educacional que lhe
á atribuido e o simples cumprimento do papel que é reservado a qualquer meio de expressão.

Com mais de meio século de existência, a televisão muitas vezas não é sequer compreendida plenamente como tal, um meio de expressão. Diferente dos estudos que envolvem meios similares, como o cinema, literatura ou música, no caso da análise da tv os mecanismos narrativos que lhes são próprios acabam não sendo sequer levados
em consideração. A televisão acaba ocupando em papel secundário quando se estuda uma cultura na qual ela é um dos mais atuantes protagonistas.

Composto de sete mesas, cada uma com cerca de quatro profissionais que passam por nomes da área pública como Helena Severo, Secretária de Cultura do Estado do Rio, Marcus Pestana que é Chefe de gabinete Do ministério das Comunicações e, do setor privado, Flavio Cavalcante Jr., Boris Casoy, Daniel Filho e Carlos Massa (Ratinho), o evento terá aproximadamente 25 palestrantes para seus 450 participantes. Chris Cramer, Presidente da CNN Internacional, que iria participar do elendo de palestrantes, com os acontecimentos do dia 11 de setembro, frutos de atos terroristas, teve que cancelar sua presença.

A realização do 1º Encontro Internacional de Televissão é do Instituto de Estudos de Televisão, com co-produção do SESC Rio de Janeiro.